Bovespa retoma alta, mesmo após ampliação do compulsório chinês

Bolsa de Valores abriu em queda após anúncio, mas retomou alta. Às 12h12, Índice Bovespa operava em 0,20%

Márcio Rodrigues, da Agência Estado ,

18 de fevereiro de 2011 | 11h13

A Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa) retomou a alta depois de aberto o dia em baixa, à mercê da volatilidade trazida pelo vencimento de opções na próxima segunda-feira. Às 12h12 (horário de Brasília), o Índice Bovespa (Ibovespa) operava em alta de 0,20%, aos 67.818 pontos.

A nova alta do compulsório bancário na China, anunciada hoje, também traz pressão adicional ao mercado, já que empresas exportadoras tendem a sofrer com as medidas restritivas no gigante asiático. "Resta ver qual será o impacto do compulsório chinês nas commodities (matérias-primas) e, por consequência, em ações ligadas a este setor, como a Vale", disse o operador de uma corretora paulista.

O Banco do Povo da China (PBOC, o banco central do país) informou hoje que vai elevar a taxa do compulsório bancário em 0,5 ponto porcentual a partir de quinta-feira, de 19% para 19,5%. Esse é o segundo aumento no compulsório chinês neste ano e surge após dados indicando que as pressões inflacionárias no país prosseguem.

O compulsório representa a porcentagem dos recursos em banco que, obrigatoriamente, precisa ser depositada no banco central. Quanto maior o compulsório, menor a liquidez na economia - ou seja, menor a quantidade de recursos em circulação, o que ajuda a conter a alta de preços. Os mercados globais também acompanham hoje o primeiro dia do encontro dos ministros das Finanças do G-20 (grupo das 20 maiores economias do mundo), em Paris.

No Brasil, a inflação medida pelo Índice Geral de Preços - Mercado (IGP-M) na segunda prévia de fevereiro foi de 0,88%, após registrar taxa de 0,63% em igual prévia de janeiro. O resultado, anunciado hoje pela Fundação Getúlio Vargas (FGV), ficou dentro das estimativas dos analistas, que esperavam alta entre 0,77% e 0,92%. A mediana das previsões estava em 0,83%.

No campo corporativo, os investidores retomam os negócios hoje repercutindo a confirmação de que a Bovespa firmou parceira com a Bolsa de Xangai. O acordo com os chineses ocorre em um momento crucial para a BM&FBovespa, após a confirmação de que a operadora global de bolsa de valores Bats estuda a entrada no mercado brasileiro. Ontem, as ações da BM&FBovespa já tiveram valorização de 1,97% e, após o fechamento do mercado, a companhia informou lucro líquido societário de R$ 261,5 milhões, uma alta de 18,8% ante igual período de 2009.

Tudo o que sabemos sobre:
açõesBovespaChinacompulsório

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.