Bovespa se ajusta após euforia e registra baixa de 0,45%

Após a euforia da véspera com o comunicado amigável do banco central norte-americano sobre política monetária, que abriu a possibilidade de um corte de juro nos Estados Unidos nos próximos meses, os investidores decidiram hoje embolsar um pouco dos ganhos recentes. Mas o movimento de realização de lucros foi pequeno. O Ibovespa, principal índice da Bolsa de Valores de São Paulo, cedeu 0,45% e fechou a 45.424 pontos. Ontem, o índice subiu 2,89%. O que deteve uma queda maior do Ibovespa foi sua ação mais importante, Petrobras PN. A valorização de 3,49% do preço do petróleo em Nova York deu impulso à petrolífera, cuja ação preferencial subiu 1,39%, para R$ 43,90. Segundo analistas, esse desempenho mais contido da Bovespa hoje é justificado apenas por um ajuste técnico, que não compromete a tendência de alta da Bolsa nas próximas semanas. Com a percepção de que a economia norte-americana não passar por uma forte desaceleração, as ações brasileiras devem continuar a subir, embora ainda com certa dose de volatilidade, já que restaram incertezas sobre a inflação e o mercado de crédito imobiliário nos EUA. Os investidores estrangeiros devem voltar gradualmente ao mercado, prevêem especialistas. O último dado oficial sobre capital externo divulgado pela Bovespa, referente à segunda-feira, mostra entrada de R$ 264,506 milhões no dia. No ano, contudo, ainda há déficit de R$ 1,037 bilhão. Em Nova York, os mercados também operaram em busca de alguma realização de lucro, mas o movimento foi mais fraco que no Brasil. O índice Dow Jones se recuperou no fim da tarde e fechou em alta, de 0,11%. O Nasdaq, da Bolsa eletrônica, perdeu 0,17%. O Ibovespa oscilou hoje entre a mínima de -0,79% e a máxima de +0,70. O volume negociado totalizou R$ 3,585 bilhões.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.