Bovespa se firma em terreno positivo

Às 12h47, o Ibovespa registrava alta de 0,79%, aos 63.825 pontos, depois de atingir a mínima de 63.025 pontos e a máxima de 63.776 pontos

Beth Moreira, da Agência Estado ,

25 de maio de 2011 | 13h00

Após operar de lado durante a manhã, a Bovespa se firmou no campo positivo, impulsionada pela valorização de Petrobrás, Gerdau e papéis de construção. As empresas do grupo Oi puxam as baixas, devolvendo parte dos ganhos de mais de 10% registrados na véspera.

Às 12h47, o principal índice da Bolsa registrava alta de 0,79%, aos 63.825 pontos, depois de atingir a mínima de 63.025 pontos (-0,49%) e a máxima de 63.776 pontos (+0,69%). O giro era de R$ 1,79 bilhão, com projeção para alcançar R$ 4,71 bilhões no encerramento. Em Nova York, o índice Dow Jones opera em alta de 0,35% e o S&P 500 recuava 0,40%.

Para o chefe da área de análise da SLW Corretora, Pedro Galdi, a alta vista em alguns papéis hoje não passa de ajuste após quedas recentes. "Hoje é um dia de ajustes técnicos, principalmente, dos papéis mais atrasados", afirma. O analista de investimentos da Corretora Magliano Henrique Kleine acrescenta que o cenário externo continua desfavorável, com a situação fiscal de alguns países europeus e a manutenção das preocupações com o crescimento da China e Estados Unidos.

O setor de construção é um dos destaques de alta desta quarta-feira, com Cyrela em elevação de 3,20%, liderando as principais valorizações do Ibovespa. PDG e Rossi também fazem parte do grupo, com ganhos de 2,95% e 2,10%, respectivamente. No setor também sobem Gafisa (+1,71%), Brookfield (+1,58%), Even (+1,58%) e Eztec (+1,34%).

Também passam por ajustes os papéis da Gerdau, com GGBR4 em alta de 2,40% e Gerdau Metalúrgica PN com avanço de 2,71%. Operadores destacam que os fundamentos para o setor continuam ruins, mas a siderúrgica gaúcha seria a empresa melhor posicionada do segmento. "Além disso o papel está barato", afirma um profissional de uma corretora paulista, ressaltando que Gerdau acumula queda de 24% no ano. Ainda no setor, CSN recua 0,09%, Usiminas PNA sobe 0,28% e Usiminas ON opera com ganhos de 1,01%.

A lista de maiores altas do Ibovespa conta ainda com Lojas Americanas (+3,12%), Telesp PN (+2,15%) e Vivo PN (+2,13%).

As duas empresas de maior peso no Ibovespa operam em alta, com Vale PNA subindo 0,29% e a ON em elevação de 0,53%. Petrobrás opera com maior fôlego, com a PN avançando 1,43% e ON em alta de 1,60%. Há pouco o preço do petróleo avançava mais de 1% na Nymex eletrônica cotado acima de US$ 100,00 o barril.

Oi

Após a forte alta registrada na véspera, as empresas do grupo Oi, que anunciou ontem uma reestruturação societária, hoje dominam a lista de baixas do Ibovespa, devolvendo parte dos ganhos do pregão anterior. Oi (TNLP) ON (-3,47%), Oi (TNLP) PN (-3,01%), Oi (Tmar5) PNA (-2,49%) e Brasil Telecom PN (-2,56%).

Também compõem a lista de maiores quedas do Ibovespa Duratex (-2,18%), Santander (-1,07%), Hypermarcas (-0,81%) e Cemig PN (-0,64%).

Tudo o que sabemos sobre:
bolsaBovespaValePetrobrásOiGerdau

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.