Bovespa segue ‘apostando’ contra Dilma e tem 4ª alta seguida

Bolsa subiu 0,91% e atingiu o patamar de 55 mil pontos; pesquisa Ibope mostrou piora nas intenções de voto da presidente Dilma

Claudia Violante, Agência Estado

11 de junho de 2014 | 18h08

A pesquisa de intenção de voto do Vox Populi divulgada nesta quarta-feira, 11, foi favorável à presidente Dilma Rousseff, mas preterida pelo mercado acionário doméstico, que preferiu repercutir nos negócios o levantamento divulgado na terça-feira, 10, pelo Ibope. Por ele, Dilma piorou, enquanto a oposição melhorou. A justificativa é de que a pesquisa Ibope foi feita mais recentemente e, por isso, é mais crível. Com isso, a Bolsa engatou sua quarta alta consecutiva, recuperou o patamar de 55 mil pontos e renovou sua máxima em sete meses. 

O Ibovespa terminou a sessão com alta de 0,91%, aos 55.102,44 pontos, o maior nível desde 23 de outubro (55.440,03 pontos). Ao longo do dia, o índice oscilou entre a mínima de 54.676,49 pontos (+0,13%) e a máxima de 55.283,71 pontos (+1,24%), o patamar intraday mais elevado desde 23 de outubro. No mês, acumula ganho de 7,54% e, no ano, de 6,98%. Nestes quatro pregões positivos, houve alta de 6,87%. O giro ficou em R$ 7,40 bilhões. 

O levantamento do Ibope mostrou que, no cenário mais provável, a presidente Dilma oscilou em baixa, passando de 40% em maio para 38% agora, enquanto Aécio Neves (PSDB) e Eduardo Campos (PSB) oscilaram em alta, chegando a 22% e a 13%, respectivamente. Somados, os adversários da petista cresceram de 37% para 42%, indicando que, se as eleições fossem hoje, haveria segundo turno. Todos oscilaram dentro da margem de erro de dois pontos porcentuais. 

Já a pesquisa Vox Populi, divulgada pela revista Carta Capital, apontou que Dilma manteve 40% das intenções de voto em relação ao levantamento de abril e venceria no primeiro turno. Aécio cresceu cinco pontos porcentuais desde o levantamento de abril e chegou aos 21%, enquanto Campos manteve 8% no período. 

Petrobrás ON, +2,91%, PN +2,94%. Em depoimento à CPMI do Congresso, a presidente da estatal, Maria das Graças Foster, não trouxe novidades sobre a compra de Pasadena. Ainda sobre a empresa, destaque para a prisão, novamente, do ex-diretor Paulo Roberto Costa, o que não influenciou as ações da estatal. Além disso, a Suíça bloqueou US$ 23 milhões em contas que são atribuídas a ele. Há suspeita de que as contas foram alimentadas com recursos desviados durante a construção da refinaria de Abreu e Lima.

BB ON, +2,09%, Itaú Unibanco PN, +2,07%. Vale ON avançou 0,68% e a PNA fechou estável. 

Nos EUA, após os recordes recentes, o Dow Jones recuou 0,60%, aos 16.843,88 pontos, o S&P perdeu 0,35%, aos 1.943,89 pontos, e o Nasdaq fechou com retração de 0,14%, aos 4.331,93 pontos. A agenda esvaziada abriu espaço para uma realização de lucros em Wall Street.

Tudo o que sabemos sobre:
bovespa

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.