Bovespa segue cena externa e realiza lucros na abertura

A Bolsa de Valores de São Paulo usa a cena externa como pretexto para realizar lucros no início do pregão, embora o índice de preços ao produtor (PPI) de setembro nos EUA, divulgado às 9h30, não tenha provocado ajustes significativos nos preços dos ativos nesse primeiro momento. O Ibovespa à vista abriu em baixa e cedia 0,62% às 10h07, a 38.985 pontos. Nos EUA, os futuros das Bolsas de Nova York ampliaram as perdas após o PPI. O Nasdaq futuro cedia 0,59% e o S&P 500 recuava 0,29%. Segundo analista ouvido pela Agência Estado, os investidores não devem tomar esse dado sobre inflação ao produtor como conclusivo. O índice de preços ao consumidor (CPI) norte-americano, que sai amanhã, é mais importante e deve dar mais subsídios para os analistas fazerem suas apostas com mais clareza. Após ter encerrado o pregão de ontem acima dos 39 mil pontos, aumentando para 7,63% o ganho acumulado no mês de outubro, a Bolsa está devendo uma realização de lucros, na visão de boa parcela dos especialistas. Mas esse movimento de correção de preços pode vir a ser absorvido durante o dia se o mercado norte-americano melhorar e se os preços das commodities, incluindo o petróleo, se mantiver em alta. Ontem, o Dow Jones fechou em nível recorde pela sétima vez nos últimos dez pregões (11.980,6 pontos) e ficou mais próximo de atingir os 12 mil pontos. O desempenho das bolsas norte-americanas hoje vai depender dos balanços que estão para sair. Por enquanto, saíram os resultados de Merril Lynch, United Technologies e Johnson & Johnson. Os mais importantes do dia (IBM, Intel, Yahoo!) saem após o fechamento e só devem repercutir no pregão de amanhã. De qualquer maneira, os investidores devem operar na expectativa desses resultados.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.