Bovespa segue exterior e cai

Às 12h31, o Ibovespa registrava baixa de 0,71%, aos 70.240 pontos

Luciana Collet, da Agência Estado,

27 de outubro de 2010 | 12h44

A Bovespa registra queda hoje, acompanhando o movimento das bolsas internacionais, que hoje operam com mais cautela diante da perspectiva do mercado de que a nova rodada de desaperto monetário nos Estados Unidos, prevista para ser anunciada na semana que vem, pode ser mais tímida do que se esperava inicialmente. A divulgação de diversos balanços entre a noite de ontem e a manhã de hoje estimula os negócios, principalmente com os papéis PN de Bradesco, que passaram a manhã entre as mais expressivas baixas do Ibovespa. As blue chips também recuam e pesam sobre o índice que só não registra queda mais expressiva por causa da recuperação observada nas siderúrgicas.

Às 12h31, o Ibovespa registrava baixa de 0,71%, aos 70.240 pontos, após ter alcançado mínima de 70.220 (-0,73%). O giro financeiro era de R$ 1,82 bilhão, com previsão de R$ 8,61 bilhões para o fechamento. Em Nova York, a Dow Jones recuava 0,87%, enquanto a S&P 500 baixava 0,76%.

Bradesco PN baixava 3,22%, liderando as maiores quedas do Ibovespa, com forte giro, de R$ 156 milhões (ou cerca de 14% do volume da Bolsa até o momento. Merril Lynch liderava as vendas, seguido por BTG Pactual e Deutsche.

Os papéis reagem aos números de seu balanço do terceiro trimestre, divulgado pela manhã. O banco registrou lucro líquido contábil de R$ 2,527 bilhões, 39,5% acima do apurado em igual período do ano passado. O resultado ficou em linha com a previsão dos analistas, que era de resultado de R$ 2,470 bilhões, segundo média das estimativas de sete casas consultadas pela Agência Estado (Deutsche Bank, Citigroup, Votorantim Corretora, Barclays Capital, BTG Pactual, HSBC e Santander).

A Agência Estado considera que o resultado está em linha com as projeções quando a variação é inferior ou igual a 5%. O retorno patrimonial divulgado foi de 22,5%, também dentro do previsto pelos analistas, de 22,2%.

De acordo com analistas, como o mercado já vinha precificando os resultados agora divulgados, abriu espaço para uma realização de ganhos. "O papel do Bradesco subiu no ano mais que Itaú Unibanco e Banco do Brasil, então há agora um troca por essas outras ações", afirmou o analista-chefe da XP Investimentos Rossano Oltramari, acrescentando que a corretora reiterou hoje a recomendação de troca das ações do Bradesco pelos do Itaú Unibanco.

As ações PN do Itaú Unibanco recuavam há pouco 0,90%; Banco do Brasil ON caía 0,82% e units do Santander perdiam 0,28%.

As blue chips Vale e Petrobrás também registravam queda. Petrobrás PN perdia 1,16% e a ON baixava 1,09%, corrigindo após as fortes altas - de 5,21% e de 4,56% - registradas ontem. O preço do barril do petróleo era cotado a US$ 80,97 na Nymex eletrônica, com queda de 1,90%.

Já a Vale PNA perdia 0,75% e a ON cedia 1,29%, em dia de queda dos metais, que são pressionados pela alta do dólar. Na London Metal Exchange (LME) o cobre se aproximou da mínima em quatro sessões e o zinco devolveu os ganhos que havia obtido nos últimos dois dias. Bradespar, importante acionista da mineradora, recuava 2,41%, entre as maiores baixas do Ibovespa.

Entre as maiores baixas estavam: Eletrobras ON (-3,31%); TIM PN (-2,66%); CESP PNB (-2,63%); Eletrobras PNB (-2,38%); Sabesp (-2,25%) e TIM ON (-2,13%).

Já as siderúrgicas se recuperavam das fortes perdas dos últimos dias, com destaque para os papéis da Usiminas, que haviam registrado as maiores perdas. A PNA da siderúrgica mineira avançava 1%, figurando entre as maiores altas do Ibovespa. O papel ON tinha alta mais tímida, de 0,47%. Gerdau PN subia 0,48% e Gerdau Metalúrgica PN ganhava 0,44%. CSN ON, que também iniciou a sessão em alta, virou e há pouco caía 0,54%.

Papéis do setor de construção também se recuperavam das recentes quedas, com Cyrela ON (+2,15%); MRV ON (+1,09%); PDG Realty ON (+1,08%); Gafisa ON (+1,04%), todas entre as maiores altas do índice.

Também figuravam na lista Cemig PN (+1,03%); Pão de Açúcar (+0,94%) e Embraer ON (+0,93%).

Tudo o que sabemos sobre:
BovespaValePetrobrás

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.