Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90

Bovespa segue mercado exterior e cai

Às 15h30, o principal índice da bolsa paulista registrava desvalorização de 0,49%, aos 66.558 pontos

Beth Moreira, da Agência Estado,

20 de agosto de 2010 | 15h22

A Bovespa opera em queda nesta sexta-feira, acompanhando o mercado internacional, que ainda se ressente de dados econômicos desfavoráveis divulgados na quinta-feira, 19, nos Estados Unidos. As ações mais líquidas das grandes empresas - blue chips - puxam as baixas.

Às 15h30, o principal índice da bolsa paulista, o Ibovespa, registrava desvalorização de 0,49%, aos 66.558 pontos, após alcançar mínima de 66.336 pontos. O giro financeiro era de R$ 2,9 bilhões, com previsão de R$ 5,44 bilhões para o fechamento. No mesmo momento, o Dow Jones registrava queda de 0,72%, enquanto o S&P 500 caía 0,51%.

As ações da Petrobrás abriram o dia em alta, recuperando-se da queda de mais de 3% registrada no pregão de ontem, com o aumento das incertezas em relação ao processo de capitalização da companhia. Há pouco, a PN subiu 0,04%, enquanto a ON recuava 0,69%.

Investidores aguardam a definição sobre o preço do barril do petróleo a ser cedido onerosamente pela União à estatal e o prazo para a realização da operação. Em reportagem publicada ontem pela Agência Estado, às 18h28, fontes informaram que ao contrário da praxe do mercado, o governo não vai recorrer a uma arbitragem internacional para resolver a divergência entre Petrobrás e ANP a respeito do preço do barril.

Técnicos dos dois órgãos tentam chegar a um número de consenso, a partir da análise da metodologia e dos parâmetros utilizados por cada certificadora. A palavra final caberá ao Conselho Nacional de Política Energética (CNPE), que se reúne na semana que vem. Um acordo terá de ser conseguido até a próxima semana, para que o processo de capitalização ocorra até o dia 30 de setembro, como é a intenção do governo.

Outra fonte ouvida pela Agência Estado, no entanto, disse que o presidente Luiz Inácio Lula da Silva voltou a avaliar a possibilidade de adiar o processo de capitalização da estatal para depois das eleições. O prazo de 30 de setembro, previsto para a conclusão do processo, "não está acertado", disse a fonte. Segundo essa mesma fonte, Lula ainda está reunindo informações sobre o assunto considerado delicado pelo governo e que "carece" de uma discussão. "O governo quer que o processo seja uma ação de grande repercussão, por isso está redobrando os cuidados", disse.

Em meio a tantas dúvidas sobre a capitalização, a estatal divulgou ontem que atingiu uma produção de 2,005 milhões de barris por dia em julho de 2010, volume 3,4% superior ao mesmo período no ano passado e 1,4% maior do que o produzido em junho deste ano. A Petrobrás atribuiu o aumento, de 27.217 barris na produção média diária, ao início de operação da plataforma FPSO-Cidade de Santos, nos campos de Uruguá e Tambaú (Bacia de Santos) e à entrada de novos poços no FPSO-Capixaba, no Parque das Baleias, no mar do Espírito Santo (Bacia de Campos). Também contribuiu para o aumento o retorno à produção da plataforma P-43, no Campo de Barracuda (Bacia de Campos), que em junho se encontrava em manutenção programada.

Outra blue chip, a Vale PNA, recua 1,16%, enquanto a ON cede 1,50% acompanhando o movimento das commodities metálicas no mercado internacional. Hoje metais básicos recuam na London Metal Exchange (LME), seguindo as bolsas e prejudicados pelo 

Tudo o que sabemos sobre:
BolsaBovespaaçõesValePetrobrás

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.