Sergio Castro/Estadão
Sergio Castro/Estadão

Bovespa segue Nova York e fecha em queda de 0,76%

Dados de empregos dos EUA reforçaram a leitura de que o Fed está próximo de subir os juros

Fabrício de Castro e Claudia Violante, O Estado de S. Paulo

06 de março de 2015 | 17h47

Os dados de emprego dos EUA definiram o recuo da Bolsa brasileira nesta sexta-feira, 6. A criação de vagas em fevereiro, acima do esperado, elevou a leitura de que o Federal Reserve (Fed, o banco central americano) está próximo de iniciar seu processo de alta de juros. Em reação, os investidores venderam ações em Nova York e também no Brasil, o que conduziu o Ibovespa para os 49.981,19 pontos, em baixa de 0,76%. 

O Departamento do Trabalho dos EUA informou a criação de 295 mil empregos em fevereiro, bem acima da previsão de 240 mil vagas. Já a taxa de desemprego caiu para 5,5% no mês passado, para menos que a previsão de 5,6%. Como de costume, números bons reforçaram as apostas de que o Federal Reserve elevará os juros em um futuro próximo - o que é ruim para mercados de maior risco, como a bolsa. 

À tarde, o 'Fed boy' Jeffrey Lacker, que comanda o Fed de Richmond, deu força a essas avaliações. Em entrevista a uma rádio, ele afirmou que a reunião de junho do Fed é a principal candidata para o início do aperto monetário. Além disso, disse que o termo "paciente", que consta das comunicações do Fed para qualificar a política monetária, será o assunto principal do próximo encontro, em 17 e 18 de março.


No Brasil, além da pressão vendedora vinda de Wall Street, a queda também foi justificada pela crise política. Os nomes da lista de Janot elevam a insegurança dos agentes, à medida que podem prejudicar ainda mais a relação governo/Congresso e, principalmente, a aprovação das medidas de ajuste fiscal, agora encaminhadas via projeto de lei. 

Apesar do viés de queda, a Bolsa brasileira chegou a melhorar durante a tarde, com um certo esgotamento dos investidores em promover novas vendas, segundo um profissional. Os preços de alguns papéis, como os da Vale, atingiram um ponto de compra e os investidores voltaram para o papel, que saiu de perdas para alta e chegou a trazer o Ibovespa momentaneamente de volta para a casa dos 50 mil pontos. 

As ações ON da mineradora avançaram 0,46% e as PNA subiram 0,94%, depois de terem caído 4% na véspera, afetadas pela revisão em baixa do PIB chinês esperada para este ano, de 7% ante meta de 7,5% para 2014. O recuo do preço do minério de ferro também tem afetado a empresa. 

Petrobrás recuou 1,30% na ON e caiu 0,43% na PN, em mais um dia de perdas no mercado de petróleo no exterior.

Tudo o que sabemos sobre:
bovespa

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.