Bovespa segue NY e cai com aéreas e teles

Os dados de vendas de imóveis novos nos Estados Unidos abalaram os mercados acionários. A Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa), que subia, virou e passou a cair, acompanhando movimento semelhante nas Bolsas dos Estados Unidos. A Bovespa perdia 0,97%, aos 45.090 pontos, às 11h38. As vendas naquele país recuaram inesperadamente em fevereiro, pelo segundo mês consecutivo, e para o menor nível desde junho de 2000, informou o Departamento do Comércio dos EUA. As vendas cederam 3,9% em fevereiro, para a média anual de 848 mil unidades. A estimativa dos economistas ouvidos era de aumento de 6,72%, após queda de 15,8% em janeiro, para 882 mil unidades. O dado de janeiro foi revisado em baixa de estimativa anterior de 937 mil unidades vendidas. Os investidores não gostaram dos números e retomaram os temores de desaceleração da economia norte-americana. Além disso, o preço do petróleo não ajuda. Os contratos futuros de petróleo superaram US$ 63 por barril pela primeira vez no ano, com a escalada das tensões entre o Irã e a comunidade internacional. Petrobras, que subia bem no começo da manhã, não resistiu e caía 0,18%. Vale do Rio Doce mal sustenta seus ganhos, que acompanham as altas das mineradoras na Europa. A valorização era de apenas 0,39% às 11h37. As maiores perdas são de Brasil Telecom Participações ON (ordinária), TAM, Gol, Telemar ON e Vivo. Segundo analistas, as ações de telefonia devolvem lucros. O câmbio também inverteu o sinal verificado na abertura. O dólar comercial operava estável a R$ 2,062, enquanto o dólar negociado no pregão viva-voz da Bolsa de Mercadorias & Futuros (BM&F) valia R$ 2,063 (+0,10%).

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.