Bovespa segue NY e termina em alta de 2,72%

O bom desempenho das bolsas norte-americanas garantiu a virada da Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa), que chegou a cair 1,24%, impulsionado pelo retorno dos investidores estrangeiros. O Ibovespa, o principal índice da bolsa paulista, fechou com ganho de 2,72%, aos 34.546 pontos, após oscilar entre a mínima de -1,24% e a máxima de 2,88%. Embora em termos porcentuais a recuperação da Bovespa seja expressiva, o mesmo não se pode dizer do volume negociado, que atingiu R$ 2,26 bilhões. Não chega a ser um giro financeiro ruim, mas pelo tamanho da alta poderia ser mais forte. Há duas versões para isso. Uma delas é de que a cautela dos investidores nesses dias que antecedem a reunião do Comitê Federal de Mercado Aberto (Fomc) do Federal Reserve (Fed, banco central dos Estados Unidos) limita as compras. A outra é de que o volume é contido porque agora está faltando vendedor. A melhora dos ânimos em Nova York neste dia de agenda esvaziada foi impulsionada por resultados bons do Morgan Stanley e do FedEx. Essa reação do mercado de ações, tanto no Brasil quanto nos EUA, não significa, porém, uma reversão das expectativas nem o fim das incertezas. O mercado já dá como certa uma elevação de 0,25 ponto porcentual na taxa básica de juro norte-americano, mas deverá manter o pé atrás até o Fed ratificar essa aposta.

Agencia Estado,

21 de junho de 2006 | 17h34

Tudo o que sabemos sobre:
finanças

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.