Bovespa sobe 6,58% em setembro, 2º melhor ganho do ano

Mas isso não tirou o brilho deste mês de setembro - o segundo melhor do ano em termos de rentabilidade: 6,58%. Em julho, a alta acumulado no mês atingiu 10,7%

Sueli Campo, da Agência Estado,

30 de setembro de 2010 | 17h47

A Bovespa teve um pregão arrastado neste último dia de setembro e também encerramento de trimestre, depois do rali financeiro da véspera. Mas isso não tirou o brilho deste mês de setembro - o segundo melhor do ano em termos de rentabilidade: 6,58%. Em julho, a alta acumulado no mês atingiu 10,7%.

Mesmo tendo oscilado durante o dia, entre uma máxima de +0,73% e mínima de -0,44%, a Bolsa conseguiu defender com bravura os 69 mil pontos, ao encerrar com ligeira valorização de 0,29% (69.429,78), levemente descolada do exterior. O giro negociado somou R$ 7,790 bilhões. No ano, o Ibovespa acumula ganho de 1,23% e no terceiro trimestre, +13,93%.

Os investidores na Bovespa tiraram o dia para embolsar lucros, aproveitando que o pano de fundo no exterior não é dos mais favoráveis, embora hoje as notícias no geral tenham agradado. As incertezas sobre a saúde de algumas economias europeias e os sinais divergentes no que diz respeito ao ritmo de recuperação da atividade norte-americana estimulam uma correção técnica na virada do mês, dizem os especialista.

O movimento de realização de lucros também norteou as bolsas em Wall Street, que tiveram o melhor setembro da história em 71 anos. O índice Dow Jones cedeu 0,44%; o S&P 500 declinou 0,31% e o Nasdaq -0,33% (dados preliminares). Pela manhã saíram indicadores econômicos que levaram os investidores às compras, porém a vontade de embolsar lucros falou mais alto. Entre os dados favoráveis divulgados mais cedo, destaque para o índice de atividade industrial do Instituto para Gestão de Oferta (ISM) de Chicago, que avançou de 56,7 em agosto para 60,4 em setembro, a revisão do PIB do segundo trimestre para 1,7% ante previsão de 1,6% e o número menor de pedidos de auxílio-desemprego na última semana (queda de 16 mil ante os 5 mil estimados por analistas).

Petrobrás, cujas ações ontem avançaram 3%, hoje devolveu uma parte dos ganhos da véspera decorrentes de rebalanceamento de carteiras. A ON cedeu 1,78% e a PN registrou baixa de 0,76%. Em comunicado sobre a liquidação da oferta pública de novas ações da empresa, a estatal petrolífera informou que os investidores estrangeiros ficaram com 11,74% das ações ON e 11,23% das PN.

Os dados não incluem o lote suplementar, de até 5% das ações.

A outra blue chip, Vale, apresentou alta moderada. A PNA avançou 0,43% e a ON 0,21%. O setor bancário continuou registrando bom desempenho, em especial Santander units, que subiu 3,87%.

Tudo o que sabemos sobre:
bolsaIbovespaValePetrobrás

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.