Bovespa sobe, mas cenário externo pede cautela

Essa é mais uma semana curta, porém muito intensa, marcada por eventos e divulgações importantes tanto aqui no Brasil como nos Estados Unidos. Às 10h29, o Ibovespa, o principal índice da Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa), subia 1,18%, aos 38.530 pontos, neste dia de vencimento de opções sobre ações, que deverá ditar o ritmo da primeira metade do pregão. Apesar disso, o noticiário recomenda um pouco de cautela. O petróleo voltou a subir e atingiu US$ 70 o barril mais cedo na New York Mercantile Exchange (Nymex) eletrônica, pressionado pela tensão geopolítica envolvendo Irã e Estados Unidos. Por volta das 10 horas, o preço do barril seguia em alta, mas num nível mais baixo, cotado a US$ 69,66. O juro do título do Tesouro norte-americano de dez anos também não dá trégua e segue acima de 5% ao ano. Essa é uma semana que conta com a divulgação de indicadores importantes nos EUA. Amanhã sai o índice de preços ao produtor (PPI) de março; na quarta, sai o índice de preços ao consumidor (CPI). Além disso, a temporada de balanços do primeiro trimestre ganha mais fôlego, o que deve contribuir para a volatilidade nos negócios. Hoje, o dado relevante é o índice Empire State de atividade industrial, divulgado pelo Fed de Nova York. O índice caiu para 15,81 em abril ante o dado revistado de 29,03 em março. Analistas esperam queda menor, para 22,0. Os índices futuros de ações em Nova York operam em direções contrárias, mas sem vitalidade. Na Europa, as principais bolsas estão fechadas por conta do feriado de Páscoa. Aqui, o acontecimento da semana é a reunião do Comitê de Política Monetária (Copom), que começa amanhã e na quarta anuncia decisão. A maioria dos analista espera novo corte da Selic de 0,75 ponto porcentual. Do lado da inflação, as boas notícias se sucedem. O IPC-S da semana terminada em 15 de abril desacelerou para 0,23% ante 0,30% no anterior e ficou abaixo do piso das projeções, de 0,25% a 0,36%. Uma notícia que pode deixar os investidores incomodados são as saídas de capital externo registradas na última semana. No dia 11, a Bovespa registrou saldo negativo de k externo de R$ 125,8 milhões. E, segundo fonte, no dia seguinte, 12, teriam saído R$ 460 milhões. Se essa perda for confirmada pela Bovespa, o saldo de capital externo no mês que estava positivo em 338 milhões, passará a ficar negativo em mais de R$ 100 milhões. No dia 12, houve o vencimento de Ibovespa futuro. A boa notícia do dia, mas que já era esperada, é o anúncio da recompra antecipada de bradies (títulos), amanhã, de todos os títulos da dívida externa que ainda restam no mercado internacional com a marca da moratória brasileira da década de 80. O saldo remanescente dos bradies nas mãos dos investidores é de cerca de US$ 6,64 bilhões (posição de 31 de janeiro). Os recursos para a recompra sairão das reservas internacionais.

Agencia Estado,

17 Abril 2006 | 10h29

Mais conteúdo sobre:
finanças

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.