Bovespa tem 3ª queda seguida, mas mantém 53 mil pontos

Realização de lucros prossegue e Ibovespa encerra com perda de 0,49%, aos 53.307 pontos

Renata Pedini, da Agência Estado,

12 de setembro de 2013 | 18h05

A Bovespa deu continuidade à realização de lucros e fechou em baixa pela terceira sessão consecutiva nesta quinta-feira, 12. Sustentou, porém, o nível de 53 mil pontos. A correção neste pregão ocorreu com a atuação de investidores estrangeiros na ponta vendedora. O sinal negativo das Bolsas de Nova York contribuiu para o movimento.

O Ibovespa encerrou em queda de 0,49%, aos 53.307,09 pontos. Na máxima do dia, alcançou 53.839 pontos, em alta de 0,50%. Na mínima, marcada à tarde em meio às vendas mais fortes pelos estrangeiros, registrou 52.945 pontos, em baixa de 1,17%. O giro financeiro somou R$ 7,15 bilhões (dado preliminar). No mês, a Bolsa tem valorização de 6,59% e, no ano, perda de 12,54%.

"Há realização de lucros e as Bolsas de Nova York para baixo não ajudaram", resumiu o economista da Elite Corretora Hersz Ferman. Ele lembrou que um importante dado econômico divulgado nos Estados Unidos pesou no sentimento dos investidores.

"O resultado dos pedidos de auxílio-desemprego norte-americanos foi bom, mas houve problemas na coleta, o que acabou tornando o dado ruim", disse Ferman, referindo-se ao número de trabalhadores que entraram pela primeira vez com solicitação nos EUA. Houve queda de 31 mil, para 292 mil, na semana até 7 de setembro, abaixo do previsto (330 mil). Foi o menor patamar desde abril de 2006. Mas o indicador foi puxado para baixo pela falta de informações sobre dois Estados. Em Nova York, o índice Dow Jones perdeu 0,17%, o S&P 500 caiu 0,34% e o Nasdaq teve queda de 0,24%.

Internamente, as perdas foram conduzidas pelas blue chips, com exceção da Vale PNA, que subiu 0,76%. Vale ON teve queda de 0,51% e Petrobrás perdeu 2,19% nas ações PN e 3,49% nas ações ON, essas últimas figurando no ranking de maiores baixas do Ibovespa (quinta posição). A lista foi liderada por JBS ON, com -5%, seguida de Embraer ON, -4,98%, e TIM Participações ON, -3,86%.

Na outra ponta, as três maiores altas ficaram com LLX ON (+4,58%), PDG ON (+3,57%) e Rossi ON (+3,45%). OGX ON, que oscilou entre altas e baixas mais cedo, conseguiu terminar dentre as maiores valorizações do Ibovespa, com +2,63% (na quarta colocação).

Papéis do setor varejista foram impulsionados pelas vendas em julho, anunciadas pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Segundo o instituto, as vendas do comércio varejista cresceram 1,9% em julho, acima do teto das previsões do AE Projeções (+1,2%), e tiveram alta de 0,6% no conceito ampliado, ante teto de +0,2%. Hering ON subiu 1,70% (sexta posição do ranking de maiores altas) e B2W ON ganhou 1,39% (oitava colocação).

Tudo o que sabemos sobre:
Bovespa

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.