Bovespa tem dia de volatilidade

Às 12h07, o Ibovespa registrava desvalorização de 0,05% aos 65.715 pontos, após ter alcançado a pontuação máxima de 65.892 pontos e a mínima de 65.427

Beth Moreira, da Agência Estado,

23 de julho de 2010 | 12h05

A Bovespa opera com volatilidade nesta sexta-feira, enquanto investidores aguardam o resultado dos testes de estresse dos bancos europeus, previsto para logo mais às 13hs (horário de Brasília). Brasil Foods e construtoras são destaques de baixa, enquanto Natura e ALL lideram as altas.

 

Às 12h07, o Ibovespa registrava desvalorização de 0,05% aos 65.715 pontos, após ter alcançado a pontuação máxima de 65.892 pontos (+0,22%) e a mínima de 65.427 (-0,49%). O giro financeiro era de R$ 1,41 bilhão, com previsão de R$ 4,58 bilhões para o fechamento. No mesmo horário, o Dow Jones subia 0,26%% e o S&P 500 registrava alta de 0,15%.

 

O analista Rodrigo Campos, da Fator Corretora, lembra que o movimento de hoje não reflete notícias corporativas mas um ajuste, com ações que subiram muito apresentando realização e papéis que ficaram para trás ensaiando recuperação. "Hoje temos boas notícias no âmbito internacional e se os testes de estresse confirmarem bons resultados, o Ibovespa deverá ganhar fôlego para testar os 66.500 pontos", avalia.

 

Natura sobe 1,69% e lidera a lista de maiores alta do Ibovespa. Segundo operadores, a valorização ainda reflete o forte resultado, divulgado na noite da última quarta-feira. "Ontem os papéis subiram, mas não responderam à altura do balanço", avalia Campos, da Fator.

 

JBS, que emitiu US$ 700 milhões em bônus de oito anos, sobe 1,22% e também figura na lista de maiores altas do Ibovespa. A operação, com cupom de 8,25% e vencimento em 2018, foi coordenada por JPMorgan Chase e banco Santander. A empresa pretende usar os recursos para melhorar o perfil do endividamento, por meio do refinanciamento da dívida de curto prazo, além de reforçar o caixa.

 

Também aparecem no grupo de altas ALL (+1,28%), Brasil Telecom (+1,23%), Cesp (+1,09%), LLX (+1,00%), BM&FBovespa (+0,99%) e Cosan (+0,97%).

 

BRF

 

Brasil Foods recua 1,84% e lidera a lista de maiores quedas do Ibovespa. CM Capital, Barclays e Merril Lynch puxam as vendas. Para o operador de mesa da Um Investimentos, Paulo Hegg, não há notícias novas sobre a empresa, mas o papel continua pesado diante da perspectiva de que o Cade aprove com restrições a fusão Sadia e Perdigão.

 

Também aparecem na lista de maiores quedas MRV (-1,39%), Duratex (-1,31%), Redecard (-1,31%), Brasil Ecodiesel (-1,16%), Telesp PN (-1,12%), Gafisa (-1,10%) e Rossi (-1,06%). Sobre as construtoras, analistas lembra que o setor registrou forte alta nos últimos dias e que as perspectivas continuam boas.

 

Petrobras e Vale

 

Petrobras PN opera em queda de 0,29% e ON com alta de 0,06%. Hoje o preço do petróleo recua em torno de 0,50% na Nymex eletrônica para a casa dos US$ 78,90 o barril. OGX, do empresário Eike Batista, sobe 0,16%.

 

Vale PNA recua 0,29% e ON cai 0,10%. Mais cedo o cobre operava próximo à máxima em dois meses em Londres, sustentado pelo tom firme dos negócios com o euro e com as ações no exterior. Outros metais também operam levemente sustentados, mantendo os ganhos desta semana.

 

Após operarem no campo negativo no início da manhã, as siderúrgicas agora sobem. Gerdau (+ 0,20%), Gerdau Metalúrgica (+0,39%), CSN (+ 0,14%), Usiminas PNA (+ 0,36%) e Usiminas ON (+0,67%).

Tudo o que sabemos sobre:
BovespaValePetrobrás

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.