Bovespa tem dia de volatilidade

Às 16h40, o Ibovespa registrava baixa de 0,25%, aos 66.743 pontos

Beth Moreira, da Agência Estado ,

24 de fevereiro de 2011 | 12h38

A Bovespa operou em alta durante a primeira hora do pregão desta quinta-feira, beneficiada mais uma vez pela valorização dos papéis da Petrobrás e também pela alta nas ações de empresas que divulgaram bons resultados financeiros no quarto trimestre do ano, como Klabin e Vivo, mas não resistiu à aversão ao risco do mercado e inverteu o sinal. No fim da tarde, oscilava entre os territórios negativo e positivo.

Às 16h40, o Ibovespa subia 0,04%, aos 66.934 pontos. O giro financeiro era de R$ 5,9, com previsão para alcançar R$ 10,8 bilhões no encerramento do pregão. Em Nova York, o Dow Jones recuava 0,31%, enquanto o S&P subia 0,16%.

As ações preferenciais da Klabin, maior fabricante de papéis do País, sobem 6,06% e lideram as maiores altas do Ibovespa, beneficiando-se da divulgação do balanço do quarto trimestre de 2010 e do acumulado do ano. A empresa reportou lucro líquido de R$ 225,142 milhões no quarto trimestre de 2010, revertendo prejuízo de R$ 222,483 milhões dos três últimos meses do ano anterior, pelo novo padrão contábil, o IFRS. O Ebitda trimestral totalizou R$ 231,326 milhões, expansão de 6% em relação ao mesmo período de 2009.

As ações preferenciais da Vivo, que também divulgou balanço, avançam 4,55%, estão no grupo das mais expressivas altas do Ibovespa. A empresa obteve no quarto trimestre de 2010 lucro líquido de R$ 864,2 milhões, um avanço de 325,1% ante igual período de 2009, quando era de R$ 203,3 milhões, pelo padrão internacional de contabilidade, o IFRS. No período, o Ebitda (resultado antes de juros, impostos, depreciações e amortizações) somou R$ 1,677 bilhão, 20,9% superior ao quarto trimestre de 2009, ou R$ 1,387 bilhão.

Os papéis preferenciais série A da Braskem operam com ganhos de 2,18% e também são destaque de alta. Operadores lembram que o Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) aprovou ontem por unanimidade, mas com restrições, a compra da Quattor pela Braskem, fechada em janeiro de 2010.

Natura

Natura lidera a lista de maiores baixas com queda de 1,98%, apesar de ter divulgado ontem melhora nos resultados do quarto trimestre. A empresa apurou no quarto trimestre do ano passado lucro líquido de R$ 219,3 milhões, alta de 17,6% sobre o mesmo período de 2009. O Ebitda avançou 21,4%, para R$ 357,9 milhões. No acumulado de 2010, o lucro líquido da Natura somou R$ 744,1 milhões, incremento de 8,8% sobre 2009. O Ebitda cresceu 24,6%, para R$ 1,256 bilhão, com margem de 24,5%.

Petrobrás e Vale

Petrobrás PN cai 0,52% e ON, 1,42%. As ações ordinárias e preferenciais da Vale recuam com a PNA em queda de 0,08% e ON de 0,66%. Um operadores avalia que a proximidade da divulgação do resultado da mineradora atraiu ontem investidores para a mineradora, mas lembram que o sentimento geral ainda é de retração e ansiedade.

(Texto atualizado às 16h40)

Tudo o que sabemos sobre:
bolsaBovespaValePetrobrás

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.