Bovespa tem dia de volatilidade

Há pouco, o Ibovespa registrava alta de 0,20%, aos 62.428 pontos

Fátima Laranjeira, da Agência Estado,

29 de junho de 2011 | 12h50

A Bovespa opera como volatilidade hoje, tendo como maior destaque a alta das ações do Pão de Açúcar, mesmo após se valorizar dois dígitos no pregão de ontem. As ações PN da empresa movimentavam há pouco 39,8% do total da Bovespa, com R$ 984 milhões, bem acima da segunda colocada, a Vale PNA, com 7,0% dos negócios.

Os papéis da varejista, que iniciaram o pregão em queda, chegaram a subir hoje mais de 12%, mas perderam impulso. Há pouco, eram negociados com 5,17% de alta, a R$ 77,05, ante alta de 0,20% do Ibovespa, aos 62.428 pontos. Ontem, as ações PN da varejista fecharam com ganhos de 12,64%, após a proposta de fusão entre a varejista e as operações brasileiras da rede francesa Carrefour ter sido anunciada.

Hoje, o Casino, sócio da família Diniz na Companhia Brasileira de Distribuição - CBD (Grupo Pão de Açúcar - GPA), publicou na imprensa comunicado sobre a proposta de fusão. "Trata-se de uma proposta estruturada em conjunto, com o objetivo de frustrar as disposições do acordo de acionistas que regem a CBD e, indiretamente, expropriar do Casino os direitos de controles adquiridos e pagos no ano de 2005", diz a companhia francesa, no comunicado.

Há pouco, o departamento jurídico da Companhia Brasileira de Distribuição (CBD) enviou carta proibindo a negociação com ações da CBD e da Globex por todos os controladores, acionistas e pessoas que possam ter informação privilegiada com a negociação da fusão do grupo com o Carrefour. No comunicado, ao qual a Agência Estado teve acesso, a empresa lembra que o descumprimento da proibição poderá resultar em sanções pela Comissão de Valores Mobiliários (CVM). A carta é assinada por André Risk, do departamento jurídico societário da CBD e endereçada individualmente às pessoas relacionadas.

Para analistas, a forte alta dos papéis surpreendeu. "Se você olhar a fusão, com as sinergias possíveis, é uma excelente notícia, mas o mercado não está vendo que o Casino se posiciona contra o negócio e tem poder de veto. Parece que o mercado só está olhando os aspectos positivos", analisa o operador de mesa da Um Investimentos, Paulo Hegg.

Para a sócia-gestora da Investport, Mirela Rappaport, não é possível saber se a elevação tem ou não fundamento: "O mercado está acreditando que a fusão vai acontecer, o que é positivo para o Pão de Açúcar porque retira seu maior competidor no Brasil, em uma nova transformação da empresa. Precisamos só ver se o negócio será aprovado no Cade", afirma.

O Itaú BBA divulgou relatório afirmando que a elevação das ações do Pão de Açúcar ontem foi exagerada. Segundo a instituição, o cenário está muito volátil e os analistas estão cautelosos com os riscos da incorporação das sinergias da aquisição das Casas Bahia. "Adicionar outra distração à administração pode fazer as coisas ainda mais difíceis", afirmam os analistas. O relatório assinado pelos analistas Juliana Rozenbaum, Francine Martins e Enrico Grimaldi, reforça ainda que há a possibilidade de veto pelo Casino ao negócio ou renegociação dos termos do acordo.

Para um operador, muitos investidores estão avaliando que o papel pode estar barato, considerando que incluirá, além do Pão de Açúcar, o Carrefour no Brasil. "Só a varejista brasileira já era cotada a R$ 70, então o preço da ação estaria barato", conta, afirmando que a alta foi provavelmente motivada por operadores visualizando esta empresa maior. Na opinião deste operador, no entanto, há ainda muitos poréns para a fusão sair, já que precisa da aprovação do Casino, do Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) e do governo francês: "A França já barrou outra fusão do Carrefour com outra rede no passado, para evitar concentração", lembra.

O analista da SLW Corretora, Cauê Pinheiro, destacou que o Casino estaria disposto a analisar o negócio e há chance de aprovação, o que antes não era previsto. "Acredito que apesar de o Casino ter sua participação diluída, o ganho que ele terá vai compensar", diz.

Ontem, uma fonte familiarizada com o assunto, que pediu para não ser identificada, afirmou à Dow Jones que a primeira reação do Casino foi negativa, mas que se a companhia considerar que a transação faz sentido, o grupo estaria preparado para abandonar sua opção para tomar o controle da CBD em 2012. Outra fonte próxima às negociações afirmou que, ao aceitar a oferta, o Casino fará parte de um grupo muito maior, bloqueando qualquer chance de outros competidores se unirem.

As blue chips - Vale e Petrobrás - têm praticamente estabildiade. Os papéis PNA da mineradora têm leve alta de 0,02% a R$ 44,51 e os PN da petroleira registram pequena queda de 0,13% a R$ 23,43.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.