Bovespa tem nova alta e se aproxima dos 49 mil pontos

O Ibovespa terminou com ganho de 0,51%, aos 48.819 pontos, maior nível desde os 49.464 pontos em 18 de junho passado

Claudia Violante, da Agência Estado,

23 de julho de 2013 | 17h54

A Bovespa engatou mais uma sessão de ganhos e se aproximou do patamar de 49 mil pontos, registrado a última vez em meados de junho. Mas depois de subir mais de 1,5% na máxima do dia, o índice perdeu fôlego no final desta terça-feira, 23. A percepção de que as coisas parecem melhores no País - ou, ao menos, mais calmas - tem trazido investidores para a ponta compradora, entre eles estrangeiros.

O Ibovespa terminou com ganho de 0,51%, aos 48.819,52 pontos, maior nível desde os 49.464,94 pontos de 18 de junho passado. Na mínima, registrou 48.579 pontos (+0,01%) e, na máxima, 49.379 pontos (+1,66%). No mês, acumula valorização de 2,87% e, no ano, perda de 19,90%. O giro financeiro totalizou R$ 5,618 bilhões. Os dados são preliminares.

A alta da Bovespa se pautou no que os especialistas apontam como onda de calmaria no mercado doméstico. No geral, a percepção é que a situação macroeconômica brasileira ainda inspira cuidados, mas os sinais mais recentes, se não ajudam, também não atrapalham. Isso estaria acontecendo, por exemplo, com a inflação. O IPC-S divulgado mais cedo ficou em -0,11% na terceira quadrissemana de julho, ante +0,07% na segunda quadrissemana.

O sinal positivo teve incentivo da China, depois que o primeiro-ministro, Li Keqiang, informou que o governo não vai permitir que o país tenha crescimento menor do que 7%, já que isso complicaria o cumprimento da meta oficial de dobrar o tamanho da economia nesta década.

Pela manhã, no entanto, os ganhos acabaram corrompidos por causa de indicadores mais fracos nos Estados Unidos. Um deles foi o índice de atividade regional do Federal Reserve de Richmond, que caiu para -11 em julho, de 7 em junho. Depois, saiu que o índice de preços das moradias nos EUA subiu 0,7% em maio, na comparação com abril, abaixo da previsão de avanço de 0,8%.

No final, o Dow Jones fechou em alta, na contramão de S&P e Nasdaq, com apoio das blue chips DuPont e United Technologies, que divulgaram balanços. O índice Dow Jones subiu 0,15%, aos 15.568,12 pontos, o S&P recuou 0,18%, aos 1.692,40 pontos, e o Nasdaq terminou em baixa de 0,59%, aos 3.579,27 pontos.

Na Bovespa, Petrobras ON encerrou em +1,90%, PN, +0,67%, Vale ON, +1,94%, Vale PNA, +1,62%. No setor siderúrgico, Gerdau PN, +2,59%, Metalúrgica Gerdau PN, +3,77%, CSN ON, +3,02%. Usiminas PNA caiu 1,66%.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.