Bovespa tem novo recorde de pontuação

Na maior parte do dia de hoje, o Ibovespa operou com forte volatilidade, sem definição de tendência. Mas nas duas últimas horas do pregão, a bolsa se definiu pelo sinal positivo e conquistou o nono recorde de pontuação deste ano. A bolsa foi impulsionada pelas ações do setor de siderurgia e da Petrobras. O fluxo externo continua forte e os bons indicadores econômicos domésticos ajudam a atrair o investidor estrangeiro. O Índice Bovespa fechou em alta de 1,11%, com 38.242 pontos. Operou entre a máxima de 38.276 pontos (+1,20%) e a mínima de 37.501 pontos (-0,85%). Com esse resultado, a bolsa passou a acumular alta de 14,31% em janeiro. O volume financeiro ficou em R$ 2,296 bilhões.O mercado iniciou os negócios nesta segunda-feira com uma boa notícia no cenário local. O Tesouro Nacional anunciou, logo cedo, que estava reabrindo uma emissão de bônus em euros com vencimento em 2015. No final da tarde, o Tesouro confirmou o volume de captação de 300 milhões de euros.Antes da abertura dos negócios, o Banco Central também anunciou que o superávit primário do setor público em 2005 ficou em 4,84% do PIB, acima da meta de 4,25% e o maior nos últimos onze anos.Essas notícias foram bem recebidas pelos investidores, mas acabaram tendo como contraponto dois alertas feitos por instituições estrangeiras. Num deles, emitido no início da tarde,o Morgan Stanley anunciou que estava reduzindo a exposição em seu portfólio a ações brasileiras e aumentando a participação de empresas chilenas.Noutro alerta, feito quase que no mesmo horário, o JP Morgan afirmou que pode estar em andamento uma correção dos bônus das economia emergentes. O que estaria limitando a queda das cotações seria a forte liquidez internacional.De acordo com a Bovespa, até o dia 24 deste mês, o saldo líquido de investimento estrangeiro na bolsa em janeiro já era de R$ 1,653 bilhão. E, segundo apurou a editora Aline Cury Zampieri, no dia 26 (a Bovespa não operou no dia 25, feriado em São Paulo) teriam entrado mais cerca de R$ 135 milhões em capital externo."A bolsa mostrou força, mais uma vez, com giro acima dos R$ 2 bilhões. E as siderúrgicas, junto com Petrobras, garantiram a alta hoje", comentou um operador. No encerramento dos negócios, as preferenciais da Petrobras subiam 2,98% e registravam giro de R$ 235 milhões, o maior da bolsa. As ordinárias registraram alta de 2,59%. As ações da estatal, que caíram na sexta-feira passada, subiram hoje com a alta do petróleo no mercado internacional. O barril do óleo subiu 0,87% para US$ 68,35 na entrega em março em Nova York.Os papéis do setor de siderurgia subiram com força hoje ainda na esteira da oferta hostil feita na semana passada pela Mittal para adquirir a Arcelor. No fim de semana, a diretoria da Arcelor descartou o negócio. Mas hoje admitiu que 86,5% das ações da companhia estão em circulação no mercado externo.Usiminas PNA foi a maior alta do Ibovespa, com valorização de 7,01%. Siderúrgica Nacional ON subiu 5,48%. Bradesco PN também foi destaque, com alta de 4,15%. Usiminas foi a terceira mais negociada, com giro de R$ 115 milhões. Bradesco PN, com R$ 120 milhões, teve o segundo maior volume de negócios.Em Nova York, às 18h40, o Dow Jones recuava 0,11%, o Nasdaq subia 0,13% e o S&P 500 avançava 0,12%. Já o risco Brasil subia um ponto para 261 pontos base.Entre os papéis que compõem o Índice Bovespa, as maiores altas foram Usiminas PNA (+7,01%), Contax ON (+6,17%) e Siderúrgica Nacional ON (+5,48%). As maiores baixas foram Cesp PN (-3,62%), Contax PN (-3,13%) e Braskem PNA (-2,56%).

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.