Estadão
Estadão

Sob influência do exterior, Bolsa recua e dólar fecha perto da estabilidade

Apesar de beneficiada por commodities, Bovespa recuou 0,15%; já a moeda americana fechou em leve alta, a R$ 3,53, mesmo com atuação do BC

Paula Dias, O Estado de S. Paulo

20 de abril de 2016 | 11h46

SÃO PAULO - Na ausência de grandes definições no ambiente político doméstico, o cenário internacional foi novamente a principal referência para os negócios nesta quarta-feira, 20. Depois de alternar altas e baixas no decorrer da sessão, o Índice Bovespa terminou o dia em leve baixa, de 0,15%, aos 53.630,93 pontos. O volume de negócios totalizou R$ 7,53 bilhões. 

Entre os poucos destaques do dia no cenário doméstico esteve a decisão do Supremo Tribunal Federal (STF) de adiar o julgamento sobre a posse do ex-presidente Lula como ministro da Casa Civil. Não foi definida data para discussão do tema. O mercado recebeu a notícia de maneira positiva, por sinalizar mais um fator de enfraquecimento do governo. No entanto, o fato pouco influenciou os negócios na Bolsa.

Assim como aconteceu na véspera, a recuperação dos preços das commodities impulsionou ações ligadas a essas matérias-primas. Os papéis da Vale, que chegaram a subir mais de 8% ao longo do pregão, terminaram o dia com valorização de 5,30% (PNA) e 6,35% (ON), entre as maiores altas do Ibovespa. As ações preferenciais da Bradespar, acionista da Vale, avançaram 6,15%.

Já os papéis da Petrobrás operaram com sinais mistos durante todo o dia, com poucos momentos de alinhamento. No final dos negócios, caíram 0,16% (ON) e 1,46% (PN). As ações  do setor bancário também terminaram o dia no terreno negativo, devido a uma realização de lucros, e contribuíram para o recuo do Ibovespa. O destaque ficou com Itaú Unibanco PN, que recuou 1,86%.

Câmbio. No mercado de câmbio, o dólar à vista alternou sinais positivos e negativos e terminou o dia praticamente estável (+0,03%), cotado a R$ 3,5309. Depois de ter subido mais de 1% no início do dia, em reação a um leilão de swap cambial reverso (operação cujo efeito é equivalente à compra de dólares no mercado futuro) feito pelo Banco Central, a moeda americana perdeu força e oscilou pouco até o fechamento. A virada do petróleo no exterior, do negativo para o positivo, acabou impulsionando as divisas de países exportadores de commodities, incluindo o real. E na ausência de notícias políticas de maior impacto, os investidores também evitaram mudar de forma mais intensa suas posições.

Conforme anunciado na véspera, o BC ofertou 20 mil contratos de swap reverso. O lote foi vendido integralmente, representando a retirada de US$ 992,4 milhões do sistema. A alta, no entanto, acabou sendo diluída ainda pela manhã, principalmente depois que o petróleo passou a subir, já no início da tarde. A virada da commodity foi determinada pela divulgação dos dados do Departamento de Energia dos EUA (DOE) sobre estoques de petróleo. Entre os números, destaque para a produção média diária de petróleo, que recuou de 8,977 para 8,953 milhões de barris na semana passada.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.