Bovespa tem volume fraco e fecha na mínima, em -0,81%

O Ibovespa, principal índice da Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa), fechou em baixa de 0,81%, aos 37.077 pontos, na mínima do dia. A semana começou em ritmo lento na Bovespa, reproduzindo o estado de espírito dos investidores em Nova York, que aguardam a divulgação dos indicadores econômicos nos EUA amanhã (índice de gastos com consumo) e sexta-feira (relatório de emprego) para consolidar as expectativas sobre a reunião do Comitê de Mercado Aberto (Fomc), do Federal Reserve (Fed, banco central dos EUA), na próxima terça-feira, dia 8. Na reunião, será decidida a nova taxa básica de juros dos EUA. Após uma sexta-feira animada, que completou uma das melhores semanas da Bovespa desde meados de maio, quando começou a turbulência internacional, o dia foi hoje de realização de lucros não muito forte. A mínima de -0,81% foi atingida apenas no fim do pregão, e o volume financeiro foi modesto, de R$ 1,47 bilhão, indicando que não houve pressão forte de vendas. Na máxima, o índice subiu 0,05%. Nos EUA, os índices de ações operam enfraquecidos, refletindo o aumento nas cotações do petróleo, por conta do acirramento das tensões no Oriente Médio com os ataques de Israel no sul do Líbano, e também comentários do presidente do Fed de St. Louis, William Poole. Durante discurso feito em Louisville (Kentucky), Poole, que não é membro votante do Fomc, mostrou preocupação com a inflação, adicionando incertezas em relação à reunião do Fed da semana que vem. Na sexta-feira, o mercado enxergou no crescimento abaixo do esperado do PIB norte-americano no segundo trimestre, de apenas 2,5%, chance maior de o Fed fazer uma pausa no ciclo de aperto monetário. Em Nova York, o índice Dow Jones encerrou em -0,31%.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.