Bovespa volta aos 53 mil pontos pressionada por Selic

O pós feriado foi recheado de ordens de venda e Ibovespa encerrou a sexta-feira em queda de 2,07% e o mês, com -4,30%

Ana Luísa Westphalen, da Agência Estado,

31 de maio de 2013 | 18h39

Não bastasse a elevação da taxa básica de juros, o que é uma notícia ruim para a Bolsa, a piora dos índices acionários norte-americanos durante a tarde eliminou qualquer chance de recuperação da Bovespa no pregão desta sexta-feira, 31. O que era pra ser uma sessão de calmaria, por conta do feriado de Corpus Christi na véspera acabou sendo um dia de disparada de ordens de venda, o que fez que o pregão registrasse giro até mais robusto do que nos outros dias da semana. As blue chips Vale e OGX conduziram a trajetória de queda que levou a Bolsa a perder o patamar dos 54 mil pontos, mas o movimento de desvalorização foi generalizado. O setor de construção foi destaque de perdas do índice.

O Ibovespa encerrou o pregão desta sexta-feira em baixa de 2,07%, aos 53.506 pontos, no pior nível desde 18 de abril (53.165,91 pontos). Na mínima, durante a tarde, o principal índice da Bolsa caiu 3,10%, aos 52.942 pontos, enquanto na máxima foi aos 54.776 pontos (+0,26%). O giro financeiro somou R$ 12,607 bilhões. Na semana, a queda corresponde a 5,14%.

A Bolsa ainda não conseguiu encerrar sequer um mês em alta neste ano. Em maio, a desvalorização foi de 4,30%. Em 2013, a Bolsa acumula perda de 12,22%.

"O aumento dos juros em 0,50 ponto porcentual na quarta-feira confirmou de vez a saída do investidor da Bolsa no curto prazo", cravou um operador. "Só pela alta da Selic em uma magnitude maior do que o consenso já dificultaria o pregão de hoje, mas a piora nos Estados Unidos azedou de vez", explica. O profissional destaca que o aumento dos juros torna o mercado de ações menos vantajoso em relação à renda fixa, sobretudo uma elevação considerável de 0,50 ponto porcentual, como fez o Copom na reunião de quarta-feira, levando a Selic a 8,00% ao ano.

Entre as blue chips, Vale ON e Vale PNA recuaram 1,93% e 2,48%, respectivamente. Na esteira, OGX ON perdeu 8%. A Bolsa só não caiu mais porque as ações da Petrobras recuperaram parte das perdas de quarta-feira e subiram 1,28% as ON e 1,01% as PN.

Os destaques de queda do índice foram MMX ON (-11,58%), Brookfield ON (-9,63%), Rossi Residencial ON (-8,97%), OGX ON (-8,00%) e B2W (-7,87%).

Em Wall Street, o Dow Jones fechou em queda de 1,36%, o S&P 500 recuou 1,43% e o Nasdaq registrou baixa de 1,01%.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.