Bradesco lança financiamento imobiliário com juros de 13,5%

O Bradesco lançou ontem uma nova linha de financiamento imobiliário, que segue os parâmetros da regra governamental que cria a modalidade prefixada com recursos da poupança, sem correção pela Taxa Referencial (TR). O cliente poderá optar por duas taxas: de 13,5% ao ano para financiamentos de até 10 anos e de 14% ao ano para prazos entre 10 e 20 anos. O banco se compromete a responder as propostas dos clientes em 24 horas. A linha se destinará a imóveis residenciais com valor de venda e avaliação de até R$ 350 mil. O total financiado pode chegar a até 80%. Por se enquadrar dentro das regras do Sistema Financeiro da Habitação (SFH), é permitida a utilização do FGTS. Depois da aprovação da proposta, em 24 horas, o cliente terá disponível uma carta de crédito para procurar o imóvel que lhe interesse. A partir da apresentação dos documentos exigidos, o contrato será assinado em até 20 dias. O Bradesco já tinha uma linha prefixada, mas que operava com recursos próprios do banco, portanto tinha um custo maior. Tal crédito cobrava juros de 16% ao ano e possuía prazo máximo de financiamento de 12 anos. "A partir de hoje operaremos apenas com a nova linha prefixada, que é mais vantajosa para o cliente", disse o vice-presidente do banco, Norberto Barbeto. O executivo acredita que os interessados em adquirir financiamento imobiliário deverão preferir a linha prefixada à linha tradicional, que tem juros de 12% ao ano mais correção variável pela TR. "O custo da prefixada é um pouco menor e o cliente ainda tem a segurança de que a prestação não vai mudar", afirmou. A regra do governo diz que a linha de empréstimo prefixada terá uma taxa equivalente a 12% de juros mais a TR do trimestre anterior, que será travada. Este índice será divulgado pelo governo. Em outubro, a taxa máxima é de 14,5%, de acordo com os cálculos do governo, enquanto o Bradesco definiu juros entre 13,5% e 14%. A nova linha de financiamento já está disponível em toda a rede de agências do banco.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.