Brasil deve se tornar 2º maior mercado de jatos: Embraer

O presidente e diretor-executivo da divisão de jatos executivos da Embraer, Marco Túlio Pellegrini, disse nesta segunda-feira, 11, que o Brasil deve ultrapassar o México neste ano em número de aviões executivos e se tornar o segundo mercado do mundo. Segundo ele, ambos os países possuem uma frota de cerca de 830 unidades, ainda muito distante dos Estados Unidos, com aproximadamente 13 mil aeronaves. "Este ano o Brasil já vai passar o México", afirmou Pellegrini, durante coletiva de imprensa.

WLADIMIR DANDRADE, Estadão Conteúdo

11 de agosto de 2014 | 16h49

O executivo alertou, porém, que a aviação executiva sofre com a desaceleração das economias dos países do BRIC e que o México pode se beneficiar de uma potencial recuperação do mercado norte-americano. O lançamento do jato Legacy 500 deve impulsionar as vendas da Embraer neste segmento e proporcionar, segundo Pellegrini, que o Brasil se torne o segundo maior mercado de aeronaves executivas do planeta.

"Historicamente, nos últimos cinco anos, o Brasil só ficou atrás dos Estados Unidos em compra de jatos executivos", disse o diretor de Marketing e Vendas para a América Latina da divisão de jatos executivos da Embraer, Breno Corrêa.

Tudo o que sabemos sobre:
EmbraerMarco Túlio Pellegrini

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.