Brasil pode triplicar reservas de gás natural

O Brasil pode triplicar suas reservas de gás natural, atualmente em 320 bilhões de metros cúbicos, caso a Petrobras confirme descobertas feitas recentemente, informou ontem o diretor de Gás e Energia da estatal, Ildo Sauer. "Com outros recursos já descobertos, podemos chegar a algo entre 820 bilhões e 1 trilhão de metros cúbicos", afirmou o executivo, durante palestra no 11º Congresso Brasileiro de Energia, no Rio.Sauer explicou que os volumes adicionais ainda não foram declarados como reservas provadas porque não atendem às condições dos órgãos reguladores, como a existência de mercado ou de infra-estrutura de distribuição. "Além disso, há uma série de blocos em exploração que podem conter novas reservas", completou Sauer, respondendo a uma pergunta sobre a curta vida útil das atuais reservas brasileiras, que durariam menos de dez anos caso as previsões de consumo se concretizem.A confirmação do novo volume de reservas depende de outras análises nos locais, mas nas contas de Sauer, elas garantiriam o abastecimento do País por mais de 30 anos, contando com o consumo de 121 milhões de metros cúbicos por dia projetado para 2010. Segundo o planejamento da empresa, esse volume será abastecido por três fontes: 71 milhões de m³ serão produzidos no Brasil, 30 milhões virão da Bolívia e os 20 milhões restantes, importados sob a forma de gás natural liquefeito (GNL).A estatal planeja investimentos de US$ 22 bilhões até 2011. Sauer disse que a empresa terá de rever sua política de preços, para acomodar os novos custos de produção. Segundo ele, o gás natural é vendido no Brasil a valor equivalente a US$ 30 por barril de petróleo, abaixo do preço de combustíveis como óleo combustível e diesel.O executivo evitou falar em aumento de preços, mas disse que os contratos serão fechados à luz do novo orçamento. "Para recuperar os investimentos, os preços terão de ser adaptados à nova realidade." As primeiras distribuidoras a terem contratos repactuados ficam no Nordeste, onde há várias com contratos vencidos.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.