Brasil tem a segunda maior inflação entre os países do G-20

Entre emergentes, índice de preços ao consumidor só não supera o da Rússia, que ficou em 8,3% em outubro, segundo a OCDE

O Estado de S. Paulo

02 Dezembro 2014 | 09h53

SÃO PAULO - A inflação no Brasil em 12 meses fechou outubro em alta de 6,6%, um resultado menor do que o visto em setembro, de 6,7%. Os dados foram divulgados nesta terça-feira, 2, pela Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE). Mesmo com o recuo, o índice ainda está acima do teto da meta do governo brasileiro, estipulada em 6,5%.

O resultado coloca o Brasil em segundo lugar no ranking da inflação nos países emergentes. Considerando-se o G-20, a taxa anual de inflação desacelerou para 2,5%, de 2,6% nos 12 meses até outubro. O grupo de países responde por 90% da atividade econômica global. 

Na Rússia, a alta no Índice de Preços ao Consumidor (CPI, na sigla em inglês) passou para 8,3%, de 8,0%. Na China, o avanço dos preços permaneceu em 1,6%. 

O CPI médio dos 34 países-membros da OCDE, que tem sede em Paris, subiu 1,7% nos 12 meses até outubro, após avançar em mesmo ritmo no período de 12 meses encerrado em setembro.

 (Com informações da Agência Estado)

Mais conteúdo sobre:
OCDEInflação

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.