Braskem investe R$ 750 milhões em aumento da produção

A Braskem, uma das maiores fabricantes de resinas termoplásticas do País, é um exemplo típico de como os investimentos produtivos estão em forte expansão no setor de bens intermediários. Neste ano, a companhia vai desembolsar R$ 750 milhões no aumento da sua capacidade instalada comprando equipamentos e empregando tecnologias mais avançadas para expandir a produção nas plantas de Camaçari (BA), Paulínia (SP) e Triunfo (RS). Em 2005, os desembolsos foram ligeiramente menores e somaram R$ 700 milhões.O vice-presidente de Relações Institucionais da empresa, Alexandrino de Alencar, conta que os gastos envolvem o uso de tecnologias mais modernas e equipamentos que garantem o aumento da produtividade das fábricas. "O maior ganho será na planta de Paulínia, que em 2008 terá capacidade para produzir 900 mil toneladas de resinas por ano", diz o executivo. Hoje, a capacidade de produção dessa unidade é de 600 mil toneladas de resinas plásticas.A resina plástica é um insumo que está presente no dia-a-dia de todos os brasileiros: do saco de lixo aos gabinetes dos eletroeletrônicos, por exemplo. E a taxa de crescimento da demanda desse produto intermediário é três vezes superior ao ritmo de crescimento do Produto Interno Bruto (PIB). "A indústria está antevendo o futuro ao fazer esses investimentos", observa Alencar. Além disso, o consumo de plásticos no Brasil ainda é baixo comparativamente a outros países.Se não bastasse a maior perspectiva para a demanda doméstica, os investimentos foram desencadeados diante do cenário favorável para o consumo de produtos básicos derivados de petróleo. Neste ano, os preços em dólar desses itens já subiram entre 25% e 30%, impulsionados pela alta da commodity básica, que é o petróleo. A perspectiva da Braskem é exportar em 2006 cerca de US$ 1 bilhão desses produtos. No ano passado, foram US$ 950 milhões. Em 2002, as exportações da companhia somaram US$ 300 milhões. "Estamos abrindo escritórios na Argentina, Europa e nos Estados Unidos."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.