BTG Pactual compra resseguradora Ariel Re

O BTG Pactual anunciou que fechou ontem (09) a compra de 100% das ações da resseguradora Ariel Re, baseada em Londres e Bermuda, da Global Atlantic Financial Group Limited. A empresa é especializada em resseguros de catástrofe para propriedade, conforme comunicado ao mercado, divulgado há pouco. O valor da transação não foi divulgado.

ALINE BRONZATI, Agência Estado

10 de julho de 2014 | 10h17

A conclusão da aquisição, segundo o BTG, está condicionada à obtenção das aprovações regulatórias necessárias tanto no Brasil como no exterior, incluindo a do Banco Central. No Brasil, o BTG Pactual tem uma seguradora e uma resseguradora, ambas presididas por André Gregori, ex-Fator.

A aquisição da Ariel Re está em linha com a estratégia do banco de ter uma multiplataforma global nos segmentos de seguros e resseguros. O objetivo era iniciá-la entre 2015 e 2016, mas, segundo Gregori disse em entrevista ao Broadcast, em fevereiro, foi antecipada para este ano em meio à aceleração dos negócios. Seu objetivo é atender, conforme Gregori, as necessidades dos clientes da instituição em qualquer lugar do mundo.

"Buscamos ser um jogador importante no cenário global de seguros. Hoje há muitas empresas nacionais globais. Queremos aproveitar este potencial e apoiar as empresas brasileiras", afirmou o executivo, na ocasião.

O BTG Pactual ingressou nos mercados de seguro e resseguro no Brasil há pouco mais de um ano. De janeiro a abril, o banco emitiu cerca de R$ 100 milhões de prêmios nos dois segmentos, quase todo o montante visto em 2013, de R$ 120 milhões, segundo dados da Superintendência de Seguros Privados (Susep).

Em maio último, a autarquia autorizou o BTG a operar em seguros de pessoas e previdência complementar, com capital social de R$ 30 milhões. A seguradora do BTG Pactual no Brasil, com foco em seguro garantia, tem capital de R$ 87 milhões e a resseguradora, de R$ 350 milhões.

Tudo o que sabemos sobre:
BTG PactualAriel Re

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.