BTG Pactual propõe fusão Carrefour-Pão de Açúcar com participação do BNDES

O negócio formaria a maior varejista do Brasil

Daniela Milanese e Hélio Barboza, da Agência Estado,

28 de junho de 2011 | 07h50

A varejista francesa Carrefour informou nesta manhã que recebeu uma proposta de fusão com o Grupo Pão de Açúcar (CBD). Segundo a empresa francesa, a oferta foi feita pela Gama, companhia que pertence ao BTG Pactual e que será capitalizada pelo BNDES. O negócio formaria a maior varejista do Brasil.

A intenção é unir os ativos do Carrefour e do Pão de Açúcar em uma joint venture de partes iguais. Pela proposta, as ações da subsidiária brasileira do Carrefour seriam fundidas com as da CBD, que por sua vez seriam fundidas na recém-formada holding Gama, fundo de investimento administrado pelo BTG Pactual. A holding controla mais de 50% da CBD e receberia uma injeção de capital de 2 bilhões de euros e um financiamento de 500 milhões de euros do BNDES, tornando-se acionista do Carrefour.

A Gama transferiria sua participação na CBD para a nova companhia, em troca de uma participação de cerca de 11,7% no Carrefour, com a opção de posteriormente comprar mais ações no mercado aberto, num montante de até 6% do varejista francês.

A holding informou que a proposta prevê sua adesão ao atual acordo de acionistas do Carrefour e que sua movimentação seria combinada com os fundos Blue Capital, Colony Blue Investor e Groupe Arnault, donos de uma participação de 14% no Carrefour.

O conselho da companhia francesa diz que tomou conhecimento dos termos da proposta e irá analisá-la em encontro nos próximos dias. Os termos serão submetidos ainda para o aval final do BNDES, mas o comitê técnico do banco de fomento já emitiu opinião favorável. A Gama também enviou a proposta ao Pão de Açúcar.

O novo grupo nasceria com vendas estimadas em mais de 30 bilhões de euros em 2011.

Todas as informações são do comunicado do Carrefour divulgado nesta manhã, na França. Com informações da agência Dow Jones.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.