Caloi inaugura fábrica em Atibaia (SP)

A Caloi, que já foi dona de metade do mercado brasileiro de bicicletas e hoje detém 16% das vendas, quer voltar a ter presença marcante no segmento. A empresa inaugura oficialmente amanhã as instalações da fábrica de Atibaia (SP), com capacidade para 1 milhão de unidades por ano. Paralelamente, lança a Caloi Terra, que passa a ser a mais barata da marca - R$ 299. O produto introduz no mercado brasileiro o nicho de bicicletas com características das chamadas mountain bike, mas com acessórios para os que precisam do veículo para o transporte diário na cidade. A Caloi espera vender 250 mil unidades ao ano do modelo. "Será nosso novo carro-chefe", diz o presidente da empresa, Eduardo Musa. Ele reforça que a marca continua priorizando o segmento de produtos de maior valor agregado e qualidade. A concorrência tem modelos na categoria de transporte urbano por R$ 279, mas com 18 marchas e sem acessórios. A Terra tem 21 marchas, guidão elevado para manter o condutor em postura ereta, câmbio semi-indexado (facilita a troca de marchas) e vem de fábrica com encaixe para bagageiro e pezinho para estacionar. A Caloi espera aumentar sua participação no mercado para 20% até 2010, garantindo a atual liderança. Nos últimos dez anos, as vendas do setor têm oscilado entre 4,2 milhões e 4,7 milhões de unidades. A conquista de novos pontos no mercado também virá da oferta de produtos a preços mais baixos. Com a linha de produção mais moderna que a do bairro de Santo Amaro, em São Paulo, que encerrou atividades em maio, a redução no custo de produção será repassada ao consumidor. Este mês, a Caloi já baixou em 10% o preço da Barra Forte, para R$ 319. Inicialmente, porém, a nova fábrica deve operar com metade da capacidade. Somando a fábrica de Manaus, a Caloi deve encerrar o ano com produção de 700 mil bicicletas, 50 mil a mais que em 2005. "Queremos atingir 1 milhão de unidades em 2010", informa Musa. O grupo investiu R$ 5 milhões na nova fábrica e mais R$ 5 milhões no processo de fechamento da antiga. Musa lidera movimento para convencer o governo a adotar uma política industrial para o setor de bicicletas. Com 4,2 milhões de unidades, o Brasil é o quarto maior fabricante mundial, mas muito atrás da líder China, que produz 80,7 milhões. Em consumo, é o quinto maior. Perde para China, EUA, Índia e Japão. "Só exportamos 20 mil unidades em 2005, mas o País, com política adequada, pode ser grande pólo exportador."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.