Cargill deve investir R$ 100 mi para iniciar produção de açúcar

A multinacional Cargill deve investir R$ 100 milhões nos próximos dois anos para dobrar a moagem e iniciar a produção de açúcar na Central Energética do Vale do Sapucaí Ltda. (Cevasa), cuja aquisição de 63% do capital acionário foi definida ontem. A informação do investimento foi feita pelo empresário Maurílio Biagi Filho, ex-proprietário da parte da destilaria de álcool que marca a entrada da empresa norte-americana na produção de álcool no mundo."A Cargill vai colocar açúcar e, em dois anos, deve investir esse valor para ampliar a moagem", disse Biagi. Na atual safra 2006/2007, a Cevasa deve processar 1,4 milhão de toneladas de cana-de-açúcar e produzir cerca de 130 milhões de litros de álcool.A matéria-prima é fornecida exclusivamente pelos 17 produtores ligados à Canagril, proprietária de 37% do capital restante da Cevasa. O valor previsto para ser investido é igual ao faturamento anual da Cevasa em 2005, de R$ 100 milhões, que deve crescer 30% neste ano. "Foi um negócio completamente atípico, porque eu ofereci a Cevasa à Cargill depois de propor o negócio à Canagril; a empresa é absolutamente saudável e rentável", explicou.De acordo com o empresário, os produtores são capazes, por meio de compra ou arrendamento de terras, de suprir a demanda pela cana para que seja ampliada a usina, localizada em Patrocínio Paulista, no Nordeste de São Paulo."Lá, há terras disponíveis e o preço do alqueire é de R$ 30 mil, cerca da metade do valor de Ribeirão Preto", afirmou Biagi que, como a Cargill, não divulga valores do negócio e revela apenas que o pagamento deve ser feito em até dois anos.Biagi revelou ainda que a unidade produtora de cachaça da Sagatiba irá seguir funcionando independentemente dentro da Cevasa, já que a empresa de bebidas arrenda a logística para a produção. "É uma estrutura independente e irá continuar funcionando assim", explicou.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.