Carney surpreende e muda comunicação com mercado

O novo presidente do Banco da Inglaterra (BoE, na sigla em inglês), Mark Carney, mudou a comunicação com o mercado e a sociedade já em sua primeira reunião de política monetária. Ao anunciar a decisão sobre o juro nesta quinta-feira, 04, a instituição divulgou um comunicado com cinco parágrafos, bem mais extenso que o tradicional documento com apenas algumas linhas publicado após as decisões anteriores.

FERNANDO NAKAGAWA, CORRESPONDENTE, Agencia Estado

04 de julho de 2013 | 09h17

No documento, Carney e os demais membros do Comitê de Política Monetária dizem que os dados econômicos mais recentes estão "consistentes" com o cenário central para o crescimento da economia e inflação divulgado em maio. "Um movimento de aumento significativo no mercado de juros, porém, poderia pesar nessa avaliação", diz o documento. "Na visão do comitê, o aumento na expectativa futura para a taxa de juro não se justifica pelos recentes desenvolvimentos da economia doméstica", diz o documento. "Esta análise terá influência importante nas discussões de agosto."

O mercado reagiu muito positivamente ao comunicado, já que Carney sinaliza estar confortável com a reação da economia britânica nos últimos meses e mostra que, apesar de inflação estar elevada, os índices devem recuar de volta à meta. Além disso, apontou para um dos principias tópicos do debate que ocorreu ontem e hoje e, segundo o texto, será importante no mês que vem.

"Estou surpreso com a declaração em que o BoE sinaliza, basicamente, a orientação que usará para o mês de agosto. Estão dando uma clara sinalização para o mercado de que não pensam que o aumento do juro seja consistente com suas intenções de política", afirmou em e-mail aos clientes o analista da RBC Capital Markets, Jens Larsen, ao elogiar o documento.

"O documento foi uma grande indício, uma grande dica do que o BC vai fazer no próximo mês e o mercado reage em conformidade com isso", disse o analista do Societé Generale, Brian Hilliard, ao jornal Daily Telegraph. Após a decisão, as ações britânicas aceleraram a valorização, o juro dos títulos ingleses diminuiu pela maior procura pelos papéis e a libra passou a operar abaixo de US$ 1,51. Na reunião, o BC inglês manteve a taxa básica de juros em 0,5% e também o programa de compra de ativos em 375 bilhões de libras, exatamente como previa o mercado.

Tudo o que sabemos sobre:
BoECarneyjuroscomunicado

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.