Cenário para Varig é negativo após leilão, diz Unibanco

Em relatório, analistas do Unibanco traçam um cenário pessimista para a Varig após o leilão realizado hoje, em que apenas a entidade Trabalhadores do Grupo Varig (TGV) fez uma proposta. De acordo com o banco, a oferta não é suficiente para os credores e o aporte em caixa representará apenas 28% do total. Para a instituição, a proposta tem chance pequena de ser aceita pelo juiz do caso. Com isso, crescem as chances de falência ou de perda rápida de participação de mercado por parte da Varig. O TGV ofereceu US$ 449 milhões pela Varig total - equivalente a um deságio de 47,8% sobre o preço mínimo (US$ 860 milhões). Desse montante, R$ 225 milhões serão pagos em créditos concursais e extra-concursais, R$ 500 milhões em debêntures da nova companhia e R$ 285 milhões em dinheiro. Segundo os especialistas do Unibanco, o juiz deve levar em conta a capacidade do comprador de capitalizar a empresa e torná-la lucrativa para pagar os débitos. O TGV não parece ter poder financeiro suficiente para realizar esse desafio, segundo o banco.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.