Centro em Campinas firma parceira com Intel para pesquisa de WiMax

O Centro de Pesquisa e Desenvolvimento em Telecomunicações (CPqD) de Campinas firmou uma parceria com a empresa Intel para desenvolver um projeto de pesquisa mundial da tecnologia WiMax, sistema sem fio de alto desempenho para acesso em banda larga à Internet. O programa tem duração prevista de um ano e os primeiros resultados deverão ser apresentados no terceiro trimestre de 2006. Segundo o CPqD, o convênio foi firmado dentro da proposta da Intel de alavancar o mercado dessa tecnologia. O instituto de pesquisa irá desenvolver produtos para estações de rádio base (ERB-WiMax), a partir da plataforma Glenfield, da Intel, na faixa de freqüência de 3,5 GHz. Os resultados serão transferidos para a indústria nacional, como tecnologia básica de referência. O objetivo é permitir que a indústria brasileira desenvolva competência para atuar no mercado mundial. O CPqD foi selecionado pela Intel por dispor de um Centro de Competência WiMax, criado no ano passado, e pela atuação do instituto no desenvolvimento de tecnologias para o setor. O vice-presidente de Tecnologia do CPqD, Cláudio Violato, comentou que o programa permite consolidar sua função estratégica do instituto de propulsor de tecnologias emergentes e pré-competitivas."Buscamos aumentar a presença da tecnologia brasileira nos mercados nacional e internacional e contribuir para projetar a imagem do País no cenário tecnológico mundial, desenvolvendo soluções que ultrapassam fronteiras", disse Violato. O gerente de plataformas de comunicação da Intel, Américo Tomé, lembrou que o WiMax é uma alternativa econômica de prover acesso à internet em longas distâncias por meio de tecnologia sem fio, conectando áreas remotas sem a necessidade do uso das redes de telecomunicações existentes. "A tecnologia contribuirá para a inovação e o progresso do Brasil", apontou Tomé. O CPqD atua há 30 anos no setor de tecnologia da informação e reúne 1.300 profissionais.

Agencia Estado,

31 de maio de 2006 | 19h08

Tudo o que sabemos sobre:
empresas

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.