Chance manutenção de estímulos deve animar NY

Os índices futuros das bolsas norte-americanas mantiveram os ganhos após os últimos dados de vendas no varejo e de inflação no atacado indicarem o adiamento da retirada dos estímulos nos EUA, sugerindo uma abertura positiva nos negócios à vista em Wall Street nesta sexta-feira. Por volta das 10h15, no mercado futuro, Dow Jones subia 0,16%, Nasdaq tinha alta de 0,18% e S&P 500 avançava 0,07%.

Agencia Estado

13 de setembro de 2013 | 10h46

O setor varejista norte-americano decepcionou em agosto, com uma alta de apenas 0,2% nas vendas ante julho. Economistas consultados pela Dow Jones Newswires previam um aumento maior nas vendas, de 0,5%. Já o índice de preços ao produtor (PPI, na sigla em inglês) veio misto no mês passado, avançando 0,3% em comparação a julho, ante um aumento esperado de 0,2%, e com núcleo estável, abaixo do acréscimo previsto de 0,1%.

Os dados sugerem que a economia dos EUA continua se recuperando em ritmo lento com o risco de preços sob controle, o que pode levar o Federal Reserve a adiar o início do desmonte de sua política de estímulos na reunião da próxima semana.

Na próxima quarta-feira (18), o Fed, como é conhecido o banco central dos EUA, vai definir se começa ou não a reduzir suas compras de bônus, atualmente em US$ 85 bilhões por mês. A decisão depende de sua avaliação sobre a força da recuperação norte-americana.

Ainda nesta manhã, os investidores vão acompanhar o índice preliminar de sentimento do consumidor referente a setembro, que a Universidade de Michigan divulga às 10h55, e os estoques das empresas em julho, às 11h. Ambos horários são de Brasília.

Com a diminuição das tensões em relação à questão síria, o mercado opera na expectativa para a reunião de política monetária do Fed. Hoje, o Secretário de Estado dos EUA, John Kerry, se reuniu pelo segundo dia consecutivo com o ministro de Relações Exteriores da Rússia, Sergei Lavrov, para discutir um plano com o objetivo de colocar o arsenal de armas químicas da Síria sob controle internacional.

No noticiário corporativo, o destaque era a Intel - integrante do Dow Jones -, que subia 1,9% no pré-mercado após a Jefferies elevar sua recomendação para o fabricante de semicondutores de "manter" para "compra". Fonte: Dow Jones Newswires.

Tudo o que sabemos sobre:
bolsas de valores

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.