China desencadeia correção técnica e juro futuro sobe

As projeções dos juros a partir dos contratos futuros de depósitos interfinanceiros (DIs) negociados na Bolsa de Mercadorias & Futuros (BM&F) estão subindo no início do pregão viva-voz, puxadas pela correção de preços, por sua vez motivada pela queda vertiginosa hoje da Bolsa da China. O índice Xangai Composto da bolsa chinesa despencou 8,9%, a maior baixa dos últimos dez anos. A queda é atribuída por profissionais de mercado a rumores de que o governo chinês poderá tomar medidas para conter os investimentos no país, durante a reunião anual do congresso chinês, que começa em 5 de março. As perdas na Bolsa da China influenciam nesta manhã os índices futuros de ações das bolsas norte-americanas e também o mercado doméstico. Mas os operadores consideram que a correção das taxas hoje não indica alteração no cenário benigno que se enxerga, tanto aqui como no exterior. "É uma correção técnica, saudável e pontual", afirma um operador. Os dois índices de preços divulgados esta manhã mostraram a continuidade da desaceleração da inflação. O IGP-M de fevereiro foi de 0,27%, ante 0,50% em janeiro, e o IPCA-15 de fevereiro ficou em 0,46%, ante 0,52% em janeiro. Mas, segundo operadores, os números domésticos dificilmente terão influência sobre os negócios. Todas as atenções ficarão voltadas para o cenário internacional. Às 10h22, no pregão da BM&F, o juro futuro projetado pelo contrato de DI com vencimento em janeiro de 2008 estava em 12,09% ao ano, ante 12,05% da taxa de fechamento dos negócios ontem à tarde. O DI de janeiro de 2009 projeta taxa de 11,88% ao ano, contra 11,78% de ontem à tarde.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.