China e Nova York derrubam bolsas da Ásia

Mercado de ações chinês apresentou o pior fechamento em quase quatro meses, por conta das preocupações sobre a adoção de medidas adicionais de aperto monetário

Hélio Barboza, Ricardo Criez e Roberto Carlos dos Santos, da Agência Estado,

20 de janeiro de 2011 | 08h08

Os mercados asiáticos fecharam em queda nesta quinta-feira, 20. O fraco desempenho de Wall Street e os números econômicos divulgados pela China, que indicam aumento na taxa de juros, contribuíram para o mau resultado nas bolsas da região. Seguindo o desempenho das bolsas da China, a de Hong Kong fechou com o índice Hang Seng em baixa de 1,7%, aos 24.003,70 pontos.  

A Bolsa de Tóquio fechou em queda, uma vez que os resultados decepcionantes do Goldman Sachs e a forte baixa das bolsas chineses derrubaram as ações financeiras, como as do Sumitomo Mitsui Financial Group, juntamente com todo o mercado. O índice Nikkei 225 perdeu 119,79 pontos, ou 1,1%, para 10.437,31 pontos. Foi a maior perda de pontos desde 30 de novembro.

As Bolsas da China apresentaram o pior fechamento em quase quatro meses, por conta das preocupações sobre a adoção de medidas adicionais de aperto monetário. Segundo analistas, a inflação continua um risco, apesar da redução do índice inflacionário em dezembro. O Xangai Composto despencou 2,9% e terminou aos 2.677,65 pontos, a menor pontuação desde 30 de setembro - no ano, o índice acumula perda de 4,6%. O Shenzhen Composto recuou 3,4% e encerrou aos 1.170,47 pontos.

O yuan caiu em relação ao dólar depois que a divisa norte-americana se valorizou diante do euro e que o presidente chinês, Hu Jintao, reiterou em Washington que Pequim deixará as forças do mercado terem maior influência na determinação do valor do yuan. No mercado de balcão, o dólar foi negociado a 6,5854 yuans, acima do fechamento de quarta-feira, que foi de 6,5824 yuans. A moeda dos EUA for negociada entre 6,5845 yuans e 6,5884 yuans.

A Bolsa de Taipé, em Taiwan, fechou o dia em baixa, seguindo a trilha das perdas dos mercados norte-americanos durante a noite e o recuo das bolsas da Ásia. O índice Taiwan Weighted retrocedeu 0,70% aos 9.022,17 pontos. O índice Kospi da Bolsa de Seul, na Coreia do Sul, recuou 0,43% e fechou aos 2.106,66 pontos.

A Bolsa de Sydney, na Austrália, teve forte retração. As ações dos setores de materiais, energia e financeiro foram responsáveis pelo maior parte do estrago, que combinou o fraco desempenho dos mercados norte-americano e asiático com a baixa no preço das commodities. O índice S&P/ASX 200 caiu 1,1%, aos 4.783,7 pontos, no segundo pregão seguido de queda.

Nas Filipinas, a Bolsa de Manila encerrou em baixa, estendo sua retração para três sessões consecutivas, em meio a preocupações sobre a inflação. O índice PSE recuou 0,80% aos 4.006,24 pontos. As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
bolsasÁsiaChinainflação

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.