China fecha em queda; yuan atinge cotação recorde

A Bolsa de Hong Kong fechou em baixa pela quarta sessão consecutiva, mas analistas disseram que o declínio foi parte da forte correção de algumas extensas valorizações antes do início da baixa do mercado. O índice Hang Seng caiu 0,9%, fechando em 19.385,37 pontos. "A correção não terminou ainda. Alguns grandes ganhos estão acumulados", disse Marco Mak, da Taifook Securities. "As compras estão concentradas nas ações de financeiras chinesas, porque muitas pessoas estão prevendo grandes valorizações desses papéis", acrescentou. Entre as principais ações Bank of Communications caiu 1,7% e Banco Industrial e Comercial da China (ICBC, na sigla em inglês) perdeu 1,5%. As ações do setor financeiro também se desvalorizaram na Bolsa de Xangai, na China, diante do receio de que podem estar supervalorizadas. No entanto, a alta nos papéis de companhias aéreas e nas ações tipo B (denominadas em moeda estrangeira) ajudou a limitar a queda da bolsa. O índice Xangai Composto terminou com uma perda de 2%, mas o Shenzhen Composto avançou 0,2%. Liderando a queda entre as companhias financeiras, Banco Comercial e Industrial da China (ICBC, na sigla em inglês) declinou 3,2%, Banco da China recuou 3,3% e China Life Insurance perdeu 3%. Entre as companhias aéreas, Air China ganhou 5,7%, China Southern Airlines teve alta de 5% e Shanghai Airlines atingiu o limite diário de valorização, de 10%. Um dia depois de a China anunciar um superávit comercial recorde em 2006, o que reacendeu o debate sobre sua taxa de câmbio, o yuan atingiu nova máxima pós-revalorização de julho de 2005. A cotação da moeda chinesa também ultrapassou a do dólar de Hong Kong frente ao dólar norte-americano. No sistema automático de preços, o dólar valia 7,7932 yuans às 5h30 (hora de Brasília), contra 7,8068 yuans no fechamento de ontem. No mercado de balcão, a moeda norte-americana era cotada a 7,7945 yuans, de 7,8071 yuans ontem. Em Hong Kong, a cotação oficial é de um dólar por 7,80 dólares de Hong Kong, com uma banda que vai de 7,75 a 7,85, fixada em 27 de novembro. O superávit comercial da China, anunciado ontem, aumentou 74% e atingiu o recorde de US$ 177,5 bilhões em 2006. A Bolsa de Taipé, em Taiwan, teve mais um dia de queda, ainda sob influência das preocupações em torno da crise no conglomerado Rebar Group. O índice Taiwan Weighted recuou 1%. Mega Financial Holding perdeu 2,2%, China Steel se desvalorizou 1,2% e High Tech Computer chegou ao limite diário de baixa, com declínio de 7%. Em Seul, na Coréia do Sul, o índice Kospi encerrou o pregão com alta de 0,7%, impulsionado pelo movimento de compras de ações baratas. No entanto, vendas programadas de papéis, relacionadas ao vencimento de opções, limitaram o avanço do índice. Samsung Electronics subiu 0,7%, enquanto Hyundai Engineering & Construction se desvalorizou em 1%. As ações da siderúrgica Posco tiveram alta de 1,2%, depois de a empresa anunciar que seu lucro líquido no quarto trimestre subiu para 936 bilhões de wons (US$ 997,5 milhões), contra 364 bilhões no mesmo período do ano anterior. A Bolsa de Sydney, na Austrália, fechou em alta, apoiada pela recuperação no preço das commodities metálicas e por especulações a respeito de uma fusão envolvendo a própria bolsa australiana. O índice S&P/ASX 200 avançou 0,8%. BHP Billiton ganhou 2,5% e sua rival Rio Tinto teve alta de 2,1%. Zinifex subiu 1,9%, uma valorização bem menor que a do zinco na Bolsa de Metais de Londres, onde a cotação do metal aumentou 6,5%. As ações da ASX - a Bolsa da Austrália - subiram 4,5% com a especulação de que a Bolsa de Nova York estaria interessada em comprá-la. O mercado de ações de Manila, nas Filipinas, encerrou em baixa, com o índice PSE Composto marcando queda de 0,4%. O presidente de uma corretora observou que a tendência de baixa pode continuar amanhã, devido à precaução dos investidores diante de uma reunião da Associação das Nações do Sudeste Asiático (Asean) no final de semana, na província de Cebu, região central das Filipinas. Uma série de explosões ocorreu ontem a 500 km do local da reunião. As ações da Philippine Long Distance Telephone recuaram 2% e as da Globe, 2,9%. Na Malásia, o índice composto de 100 blue chips da Bolsa de Kuala Lumpur fechou em baixa de 0,64%, aos 1.106,06 pontos. A Bolsa de Cingapura encerrou em alta. O índice Strait Times terminou com ganho de 0,29%, aos 2.969,69 pontos. Na Indonésia, o índice JSX Composto da Bolsa de Jacarta fechou em baixa de 0,38%. As informações são da Dow Jones.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.