China preocupa e derruba petróleo

Os contratos futuros de petróleo operam em queda nesta sexta-feira, 28, em meio a sinais de ampla oferta nos mercados internacionais e preocupações sobre a moeda chinesa. Números de embarques marítimos fornecidos pela Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep) mostram um aumento de 430 mil barris por dia nas quatro semanas até 15 de março, para 24,38 milhões de barris por dia. Segundo analistas do Commerzbank, grande parte deste montante será enviado para a China, sinalizando que a demanda no país ainda está robusta.

Agencia Estado

28 de fevereiro de 2014 | 10h05

Contudo, o enfraquecimento do yuan, que já dura duas semanas, acelerou nesta sexta-feira. A moeda chinesa cedeu 1,8% em relação ao dólar até agora em 2014, tirando mais da metade do ganho de 2,9% obtido em 2013. O movimento deve fazer com que o petróleo fixado em dólar fique mais caro para compradores chineses.

Além disso, uma amenização sazonal da demanda no hemisfério norte após o rigoroso inverno norte-americano, as elevações de temperaturas na Europa e o começo da rodada anual de manutenção em refinarias podem significar que a demanda por petróleo bruto e produtos refinados deve recuar.

Hoje, indicadores macroeconômicos devem ficar no radar dos investidores. Mais cedo, o índice de preços ao consumidor (CPI, na sigla em inglês) da zona do euro teve alta anual de 0,8%, a mesma que em janeiro. O resultado ficou acima da previsão de +0,7%. Por outro lado, houve o primeiro aumento mensal no número de pessoas sem emprego desde setembro. Nos EUA, será divulgada a segunda estimativa do Produto Interno Bruto do quarto trimestre de 2013.

Traders também estão monitorando a crise na Ucrânia, que pode ter um efeito sobre os preços de petróleo caso a oferta da commodity na Rússia for interrompida.

Às 9h25 (de Brasília), o petróleo brent para abril caía 0,33% na ICE, para US$ 108,61 por barril, enquanto o contrato para abril negociado na Nymex recuava 0,13%, para US$ 102,26 por barril. Fonte: Dow Jones Newswires.

Tudo o que sabemos sobre:
petróleoChina

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.