China registra sexta alta consecutiva

A queda nos preços do petróleo resultou na alta das ações de empresas do setor de transportes no mercado chinês. Esse movimento ofuscou a realização de lucros de grandes empresas financeiras e fez com que o Xangai Composto registrasse sua sexta alta consecutiva. O índice subiu 0,3%, encerrando o dia aos 2.964,79 pontos. O Shenzhen Composto subiu 1,1%, para 778,20 pontos. Hainan Airlines avançou 5,4%, China Eastern Airlines teve alta de 4,7% e Shanghai Airlines subiu 2,6%. A operadora de táxis e ônibus Shanghai Qiangsheng registrou aumento de 2,8% e Nanjing Zhongbei avançou 2,6. Contrariando a tendência, Banco Industrial e Comercial da China (ICBC, na sigla em inglês) caiu 1,4% e Banco da China fechou 1% abaixo do fechamento de ontem, com realização de lucros. Os papéis dos dois bancos registraram altas constantes nas últimas cinco sessões. O yuan fechou em alta e no fim do dia o dólar estava cotado a 7,7446 yuans no sistema automático de preços, de 7,7476 yuans do fechamento de segunda-feira. A moeda chinesa subiu em relação ao dólar no final da tarde desta terça-feira, em concordância com a leve retração do dólar nos mercados globais, mas a forte demanda pela unidade americana impediu uma alta maior do yuan. Influenciado pela queda na Bolsa de Tóquio e por conta de realizações de lucros após alta de 1,6% na sessão anterior, o índice Hang Seng da Bolsa de Hong Kong fechou em queda de 0,6%, aos 19.333,14 pontos. China Mobile recuou 1,7%, com realizações de lucros depois dos ganhos de 4,3% segunda-feira. Os resultados acima do esperado do leilão de terras do governo também enfraqueceram os negócios em ações. O governo obteve 6,18 bilhões de dólares de Hong Kong com as vendas, ligeiramente acima dos 6 bilhões de dólares de HK previstos pelo mercado. A construtora Sino Land, participante do leilão, fechou em baixa de 2%, por conta de preocupações de ter pago um preço muito alto pelas terras. Entre as demais do setor, Sun Hung Kai Properties subiu 0,7%; Henderson Land ganhou 1,4% e Hang Lung Properties valorizou-se 1,9%. Em Taipé, o índice Taiwan Weighted encerrou o dia em alta de 0,7%, aos 7.684 pontos. As ações da TMSC subiram 2,8%, mas o pregão foi liderado pelos papéis do setor de transportes, já que os investidores esperam crescimento das margens em razão do aumento do preço do frete marítimo. Yang Ming Marine Transport teve alta de 1,5%. O setor de construção também teve um dia de aumentos: Kindom Construction subiu 3,5%, mesmo porcentual de valorização das ações da Highwealth Construction. O índice Kospi, da Bolsa de Seul (Coréia do Sul), caiu 0,4%, para 1.436,05 pontos. O grande volume de vendas, principalmente por parte do Fundo Nacional de Pensão, provocou a baixa de ações de grandes empresas dos setores de tecnologia e bancário. Shinhan Financial recuou 2,7% e Korea Exchange Bank teve baixa de 0,3%. Na contramão do mercado, Kepco avançou 2,5% e Hanjin Shipping teve alta de 2%. A Bolsa de Manila, nas Filipinas, registrou alta, com forte volume de negociações. O índice PSE Composto subiu 1,8%, para 3.181,96 pontos, acumulando alta de 5,1% desde sexta-feira. Filinvest Land, o papel mais ativo da sessão, avançou 5% em razão da expectativa de aumento da demanda por causa das baixas taxas de juros. PLDT teve alta de 1,7% depois que seus ADRs subiram 0,6% ontem. Ayala Land fechou 3,1% acima do preço registrado na segunda-feira em razão da grande expectativa de ganhos com o projeto Bonifacio Global City. O mercado australiano fechou em queda, perdendo os ganhos da primeira parte do pregão, deixando a Bolsa de Sydney vulnerável a qualquer fragilidade de outros mercados. Os investidores em Sydney estão preocupados com a divulgação, hoje, do volume de vendas no varejo nos EUA e também do PPI e CPI, que serão publicados no final desta semana. O índice S&P/ASX 200 caiu 26 pontos, ou 0,4%, para 5.865 pontos. BHP Billiton teve baixa de 0,1% e Rio Tinto cedeu 0,5%. National Australia Bank recuou 1,1% e Commonwealth Bank of Australia teve baixa de 0,9%. Algumas das maiores altas de ontem converteram-se mas mais acentuadas quedas desta terça-feira: Coca-Cola Amatil caiu 3,1%, mesmo porcentual de queda da Billabong. Leighton Holdings ficou 2% abaixo do fechamento de ontem. Qantas registrou baixa de 1,4% por causa das preocupações de que a oferta da Airline Partners pelo controle da empresa não dará certo em razão da resistência de grandes acionistas. A Bolsa de Bangcoc (Tailândia) fechou em alta, com o índice SET subindo 0,4%, aos 675,20 pontos, conduzido por ganhos nos papéis dos setores bancário e de energia. Entre as ações mais ativas, Bank of Ayudhya subiu 1,5%; Thai Oil teve alta de 1,7% e PTT elevou-se 1%. Na Indonésia, o índice JSX Composto da Bolsa de Jacarta terminou a sessão em alta de 0,16%, aos 1.797,40 pontos. Na Malásia, o índice composto de 100 blue chips da Bolsa de Kuala Lumpur fechou em baixa de 0,27%, aos 1.200,01 pontos; em queda também fechou o mercado de Cingapura: o índice Strait Times da Bolsa local encerrou em queda de 0,75%, aos 3.158,90 pontos. As informações são da Dow Jones.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.