CMN cria certificados de operações estruturadas

O Conselho Monetário Nacional (CMN) regulamentou o Certificado de Operações Estruturadas (COE). Segundo o Banco Central, o certificado cria a possibilidade de instituições financeiras e investidores acessarem uma variedade muito maior de investimentos. Também possibilita a diversificação de suas estratégias de negócio.

CÉLIA FROUFE E EDUARDO CUCOLO, Agencia Estado

05 de setembro de 2013 | 12h00

A regulamentação, segundo o BC, tem o objetivo de disciplinar determinadas operações já existentes no mercado, que combinam características de investimento com rentabilidades típicas de instrumentos financeiros derivativos. "A edição desse normativo contribui para a maior transparência dessas operações, favorecendo também os procedimentos de monitoramento e supervisão", diz o BC.

Segundo a instituição, o normativo apresenta dispositivos voltados para assegurar a adequação do produto ao seu público e a ampla compreensão por parte do investidor, bem como requisitos mínimos adicionais aos processos de controles operacionais e de gestão de riscos das instituições emissoras. A resolução do CMN sobre essa regulamentação entra em vigor 120 dias após sua publicação.

Tudo o que sabemos sobre:
CMNCOE

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.