Cobre cai com preocupações sobre Grécia e China, enquanto ouro sobe

Investidores estão relutantes em assumir riscos até que a União Europeia concorde com uma solução para a Grécia

Clarissa Mangueira, da Agência Estado,

23 de março de 2010 | 16h35

Os contratos futuros dos metais básicos fecharam em direções divergentes na London Metal Exchange (LME), ao longo de uma sessão volátil e sem brilho, em meio ao enfraquecimento do euro ante o dólar e as altas das bolsas nos EUA.

 

Os dados melhores do que o esperado das vendas de imóveis nos EUA deram um impulso às bolsas, mas as preocupações persistentes sobre a crise de dívida da Grécia e sobre o aperto monetário na China estão limitando qualquer sentimento otimista.

 

Segundo os traders, os participantes do mercado estão relutantes em assumir posições até que a União Europeia concorde com uma solução para a Grécia e a China ou aperte sua política monetária ou permita a apreciação do yuan, como parte de seus esforços para esfriar o crescimento da economia e buscar um rápido aumento do crédito.

 

"O interesse (do investidor) nas commodities ainda está lá, ele só está de lado", disse Martin Squires, um trader do JPMorgan. "Os mercados estão esperando pelo próximo evento."

 

O contrato de cobre para três meses alternou altas e baixas ao longo do dia e fechou com queda de US$ 10,00 (0,13%), para US$ 7.435,00 a tonelada na rodada livre de negócios (kerb) da tarde.

 

O contrato de chumbo para três meses foi afetado fortemente pela venda perto do fechamento e encerrou com queda de US$ 58,00, para US$ 2.104,00 a tonelada, apesar de aparentemente não existir um fundamento racional para a liquidação.

 

O níquel para três meses, por sua vez, registrou fortes ganhos e fechou com alta de US$ 220,00, para US$ 22.495,00. Os estoques do metal na LME caíram 342 toneladas, para o seu mais baixo patamar desde o final de dezembro.

 

Os contratos de alumínio para três meses subiram US$ 3,00 e fecharam a US$ 2.258,00 por tonelada; os contratos de zinco para três meses caíram US$ 37,00 e fecharam a US$ 2.240,00 por tonelada. Os contratos de estanho para três meses subiram US$ 25,00 e fecharam a US$ 17.575,00 por tonelada.

 

O Barclays Capital previu que a demanda pelos metais está perto de ver uma forte recuperação e surpreender o mercado, apontando para um declínio dos estoques e um crescimento de dois dígitos no consumo pelas commodities.

 

Os contratos futuros do cobre negociados na Comex, divisão de metais da New York Mercantile Exchange (Nymex), encerraram a sessão com pouca alteração, uma vez que a pressão proveniente do fortalecimento do dólar foi compensada pelo suporte dado pelo bom desempenho das bolsas. Os contratos futuros do metal para maio - os mais líquidos - caíram US$ 0,0015 (0,04%) e fecharam a US$ 3,3790 por libra-peso.

 

Entre os metais preciosos, os contratos futuros do ouro fecharam com alta modesta na Comex, em linha com o desempenho das bolsas, mas os ganhos do metal foram limitados pelo avanço do dólar. Os contratos de ouro para abril - os mais líquidos - subiram US$ 4,20 (0,38%) e fecharam a US$ 1.103,70 por onça-troy. As informações são da Dow Jones.

 

Tudo o que sabemos sobre:
commoditiesmetaiscobreníquelouro

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.