Cobre cai e ouro sobe diante de receios com situação na Líbia

Na LME, o contrato do cobre para três meses fechou em baixa de 2,34%, a US$ 9.580,00 por tonelada

Gustavo Nicoletta, da Agência Estado,

22 de fevereiro de 2011 | 17h47

Os preços dos contratos futuros do cobre fecharam em baixa e atingiram o menor nível em três semanas, pressionados por receios com o crescimento da economia mundial depois de a tensão política na Líbia ter provocado um aumento acentuado nos preços do petróleo.

O dirigente do país, Muamar Kadafi, no poder há mais de 40 anos, afirmou hoje durante um discurso transmitido pela televisão estatal que não renunciará, mesmo em meio a protestos contra seu governo. Ele também ordenou à polícia e ao exército que esmaguem os manifestantes e ameaçou limpar a Líbia "casa por casa" e "polegada por polegada".

A Líbia pertence à Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep), possui as maiores reservas da commodity na África e responde por aproximadamente 1,7% da produção mundial de petróleo bruto.

Na rodada livre de negócios (kerb) da tarde da London Metal Exchange (LME) o contrato do cobre para três meses fechou em baixa de US$ 230,00, ou 2,34%, a US$ 9.580,00 por tonelada. Na Comex, divisão de metais da New York Mercantile Exchange (Nymex), o contrato do cobre para março caiu US$ 0,1350, ou 3,01%, para US$ 4,3470 por libra-peso.

Entre outros metais básicos negociados na LME, o contrato do chumbo para três meses fechou em baixa de US$ 109,00, a US$ 2.565,00 por tonelada, enquanto o contrato do zinco recuou US$ 111,00, para US$ 2.485,00 por tonelada. O contrato do alumínio caiu US$ 51,50, para US$ 2.527,50 por tonelada. O contrato do níquel perdeu US$ 650,00 e encerrou a sessão a US$ 28.650,00 por tonelada. O contrato do estanho fechou em queda de US$ 725,00 a US$ 31.600,00 por tonelada.

"Nós suspeitamos que as vendas nos metais hoje são em boa parte refletem os receios de que o aumento nos preços do petróleo, embora bastante justificável, provoque um fortalecimento da inflação e um aumento das taxas de juros, resultando em um crescimento econômico mais lento", afirmou o analista Edward Meir, da MF Global.

Entre os metais preciosos, o contrato do ouro para abril negociado na Comex subiu US$ 12,50, ou 0,90%, para US$ 1.401,10 por onça-troy, impulsionado pela busca por ativos seguros em reação aos conflitos na Líbia. "Era algo esperado com toda a situação no Oriente Médio" e no Norte da África, disse Ira Epstein, diretor de uma divisão homônima no Linn Group. As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
metaisLMEcobre ouro

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.