Cobre e níquel superam resistências com ajuda do euro

Contrato do cobre negociado na LME subiu até US$ 7.674,00 a tonelada métrica e o níquel tocou US$ 24.498,00 a tonelada métrica

Cynthia Decloedt, da Agência Estado,

29 de março de 2010 | 09h07

Os metais básicos operam em alta, acompanhando a recuperação do euro e influenciados por

compras técnicas, após vários deles terem rompido margens recentes de preço. Nessa onda, o cobre atingiu sua maior cotação em 11 semanas e o níquel sua maior cotação desde junho de 2008. Analistas disseram que o mercado pode continuar subindo se os preços se sustentarem acima das resistências rompidas.

 

O contrato do cobre negociado na London Metal Exchange (LME) subiu até US$ 7.674,00 a tonelada métrica, superando definitivamente a resistência recentes próxima de US$ 7.650,00 a tonelada; o níquel tocou US$ 24.498,00 a tonelada métrica.

 

"O tom mais firme parece relacionado a um certo alívio, após a União Europeia estabelecer um plano para ajudar a Grécia, com participação do FMI, e uma aparente melhora no sentimento dos investidores em relação às perspectivas econômicas", disse o analista Will Adams da BaseMetals.com.

 

Mais cedo, o cobre para três meses operava em alta de US$ 130,50 a US$ 7.645,00 a tonelada na LME e o níquel avançava US$ 400,00 para US$ 24.000,00 a tonelada. O alumínio operava em alta de US$ 31,75 a US$ 2.251,75 a tonelada e o chumbo subia US$ 54,00 a US$ 2.179,00 a tonelada. O zinco registrava ganho de US$ 55,00 para US$ 2.284,00 a tonelada e o estanho subia US$ 295,00 a US$ 17.945,00 a tonelada.

 

No pregão eletrônica da Comex, o contrato de maio do cobre registrava valorização de 1,90% para US$ 3,4675 por libra peso. As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
metaiscobreníquelLME

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.