Cobre e ouro fecham em alta impulsionados por dólar fraco

Na rodada livre de negócios da tarde da LME, o contrato do cobre para três meses subiu 2,21%, para US$ 8.517,00 por tonelada

Gustavo Nicoletta, da Agência Estado,

25 de outubro de 2010 | 17h03

Os preços dos contratos futuros dos metais básicos fecharam em alta, reagindo à fraqueza do dólar, que tornou os ativos denominados na moeda norte-americana mais baratos para os detentores de outras divisas. "Mais uma vez, os preços das commodities estão refletindo os movimentos do mercado de câmbio", disseram analistas do Standard Bank em um comunicado.

 

No fim de semana, os ministros de Finanças do G-20 assumiram o compromisso de evitar desvalorizações nas moedas de seus respectivos países, mas não apresentaram medidas concretas para cumprir esse objetivo. A notícia pesou sobre o dólar. No horário de fechamento dos mercados de metais, o euro subia 0,33% ante a moeda norte-americana, para US$ 1,3970, enquanto a libra tinha alta de 0,46%, para US$ 1,5740.

 

Na rodada livre de negócios (kerb) da tarde da Bolsa de Metais de Londres (LME, na sigla em inglês), o contrato do cobre para três meses subiu US$ 184,00, ou 2,21%, para US$ 8.517,00 por tonelada, e ao longo da sessão tocou máxima de US$ 8.549,00 por tonelada - o maior nível desde julho de 2008.

 

Na Comex, divisão de metais da New York Mercantile Exchange (Nymex), o contrato do cobre para dezembro avançou US$ 0,0660, ou 1,74%, para US$ 3,8630 por libra-peso - maior nível de fechamento desde julho de 2008 -, com mínima de US$ 3,81 e máxima de US$ 3,8895 ao longo da sessão.

 

Os preços do cobre também foram impulsionados pelo fato de, na sexta-feira, o JPMorgan ter enviado à Securities and

Exchange Comission (SEC) um documento com planos para lançar um fundo com cotas negociáveis em bolsas que

comprará o metal no mercado físico. "Muitos investidores que não estavam envolvidos com o cobre podem começar a

ficar", disse Bill O'Neill, um dos diretores da Logic Advisors.

 

Entre outros metais básicos negociados na LME, o contrato do chumbo para três meses fechou em alta de US$ 55,00, a

US$ 2.584,00 por tonelada, enquanto o contrato do zinco subiu US$ 53,50, para US$ 2.565,00 por tonelada. O contrato do alumínio avançou US$ 7,00, para US$ 2.372,00 por tonelada. O contrato do níquel ganhou US$ 350,00 e encerrou o dia a US$ 23.550,00 por tonelada, enquanto o contrato do estanho fechou em alta de US$ 525,00, a US$ 26.875,00 por tonelada.

 

Entre os metais preciosos, o contrato do ouro para dezembro negociado na Comex subiu US$ 13,80, ou 1,04%, para US$

1.338,90 por onça-troy, impulsionado pela depreciação do dólar e pela perspectiva de que a fraqueza da moeda

norte-americana deve trazer inflação no longo prazo. As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
metaiscobreouro

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.