Cobre e ouro fecham em baixa com apreciação do dólar

Preocupação com Grécia está por trás do movimento de commodities e de moedas

Gustavo Nicoletta, da Agência Estado,

22 de abril de 2010 | 15h12

Os preços dos contratos futuros do ouro, do cobre e dos metais básicos fecharam em queda, em sua maioria, após a agência de classificação de risco Moody's reduzir o rating da dívida da Grécia, com perspectiva de possível rebaixamento futuro. A notícia contribuiu para a apreciação do dólar em relação a outras moedas, fator que pesou sobre as commodities de forma geral.

 

"Os metais estão operando fracamente, minados pela crescente aversão ao risco", disse o analista Michael Jansen, do JPMorgan. "Está ficando mais claro que os metais estão sofrendo de um pouco de fadiga."

 

Na rodada livre de negócios (kerb) da tarde da London Metal Exchange (LME), o contrato do cobre para três meses caiu US$ 71,00, ou 0,91%, para US$ 7.688,00 por tonelada. Para o analista Edward Meir, da MF Global, "o dólar mais forte está pressionando os preços do cobre e há poucos outros fatores para explicar o declínio".

 

Perto do horário de fechamento do cobre em Londres, o euro caía para US$ 1,3306, de US$ 1,3393 na quarta-feira, enquanto a libra tinha queda para US$ 1,5354, de US$ 1,5408 ontem. "Ainda estamos aguardando mais uma tentativa de rompimento da mínima intraday recente de US$ 7.610,00 (a tonelada, na LME), com eventual recuo para perto de US$ 7.300 por tonelada", acrescentou Meir.

 

Na Comex, divisão de metais da New York Mercantile Exchange (Nymex), o preço do contrato do cobre para julho recuou US$ 0,0510, ou 1,43%, para US$ 3,5065 por libra-peso, enquanto o contrato do ouro para junho caiu US$ 5,90, ou 0,51%, para US$ 1.142,90 por onça-troy.

 

Entre outros metais básicos negociados na LME, o contrato do chumbo para três meses fechou em queda de US$ 13,50, a US$ 2.306,00 por tonelada, enquanto o contrato do zinco caiu US$ 7,00, para US$ 2.418,00 por tonelada. O contrato do alumínio recuou US$ 32,00, para US$ 2.319,00 por tonelada, enquanto o contrato do estanho fechou em baixa de US$ 150,00, a US$ 18.850,00 por tonelada.

 

O contrato do níquel foi a exceção, ganhando US$ 90,00, para US$ 27.090,00 por tonelada. As informações são da Dow Jones.

 

Tudo o que sabemos sobre:
commoditiesmetaiscobreníquelouro

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.