Cobre e ouro recuam com medidas da China e alta do dólar

O volume de negociações com metais deve cair na próxima semana devido ao feriado de Ano Novo Lunar na China

Gustavo Nicoletta, da Agência Estado,

12 de fevereiro de 2010 | 17h45

Os preços dos contratos futuros do cobre fecharam em baixa, pressionados pela apreciação do dólar, por dados fracos sobre a economia de alguns países europeus e pelo anúncio do governo da China de que elevará a taxa de compulsório bancário.

 

As perdas, no entanto, foram limitadas no final da sessão por uma leve recuperação do euro em relação ao dólar. Pouco antes do fechamento dos mercados de metais, o euro caía para US$ 1,3613, de US$ 1,3684 na quinta-feira, enquanto o dólar tinha alta para 89,97 ienes, de 89,73 ienes ontem.

 

O contrato do cobre para maio negociado na Comex, divisão de metais da New York Mercantile Exchange (Nymex), caiu US$ 0,0495, ou 1,57%, para US$ 3,1020 por libra-peso, com máxima de US$ 3,1570 e mínima de US$ 3,0535 ao longo da sessão, incluindo as transações do pregão eletrônico. Na semana, o contrato registrou alta de 7,95%.

 

Na London Metal Exchange (LME), no encerramento da rodada livre de negócios (kerb) da tarde, o contrato do cobre para três meses recuou US$ 129,00, para US$ 6.810,00 por tonelada. Na semana, o contrato acumulou avançou de 8,45%.

 

Entre outros metais básicos negociados em Londres, o contrato do chumbo ganhou US$ 9,00, para US$ 2.134,00 por tonelada, enquanto o contrato do zinco encerrou em queda de US$ 12,00, a US$ 2.168,00 por tonelada. O alumínio caiu US$ 0,50, a US$ 2.054,50 por tonelada. O níquel avançou US$ 190,00, a US$ 18.640,00 por tonelada, enquanto o estanho ganhou US$ 25,00, para US$ 16.200,00 por tonelada.

 

Mais cedo, em mais uma medida de aperto monetário, a China anunciou que elevará a taxa do compulsório bancário em 0,5 ponto porcentual. Além disso, dados mostraram que o crescimento econômico da Itália e da Espanha encolheram respectivamente 0,2% e 0,1% no quarto trimestre em comparação a igual período do ano passado.

 

A medida chinesa gerou preocupações com uma redução na liquidez oferecida ao mercado, enquanto os dados da Europa provocaram receios com a situação da demanda na região. "Suspeitamos que haverá mais fraqueza daqui para frente e não ficaríamos surpresos de ver a devolução dos ganhos excessivos (registrados na quinta-feira)", disse o analista Edward Meir, da MF Global.

 

Para o analista do Standard Bank, Leon Westgate, o volume de negociações com metais deve cair na próxima semana devido ao feriado de Ano Novo Lunar na China. "De forma geral, os metais básicos seguirão os mercados de ações e de câmbio, mas será interessante observar se os preços serão empurrados para cima até o final da próxima semana por conta de apostas em mais compras chinesas no retorno do feriado."

 

Entre os metais preciosos, o contrato do ouro para abril negociado na Comex fechou em baixa de US$ 4,70, ou 0,43%, para US$ 1.090,00 por onça-troy, com máxima de US$ 1.097,70 e mínima de 1.078,10 ao longo da sessão, incluindo transações do pregão eletrônico. Na semana, o contrato subiu 3,53%.

 

O ouro foi pressionado pela apreciação do dólar e pela perspectiva de diminuição na liquidez e no risco inflacionário devido às modificações do compulsório bancário na China. As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
commoditiesmetaiscobreouro

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.