Cobre e ouro sobem diante de compromisso da UE com Grécia

Os preços dos contratos futuros dos metais básicos fecharam em alta, com destaque para o cobre, refletindo um retorno dos investidores a ativos de risco - caso das commodities - após os líderes europeus assumirem o compromisso de ajudar a Grécia a resolver sua situação fiscal.

Gustavo Nicoletta, da Agência Estado,

11 de fevereiro de 2010 | 18h12

 

O contrato do cobre para março negociado na Comex, divisão de metais da New York Mercantile Exchange (Nymex), subiu US$ 0,1445, ou 4,83%, para US$ 3,1335 por libra-peso, com máxima de US$ 3,1490 e mínima de US$ 2,9800 ao longo da sessão, incluindo as transações do pregão eletrônico.

 

Na London Metal Exchange (LME), no encerramento da rodada livre de negócios (kerb) da tarde, o contrato do cobre para três meses avançou US$ 409,00, para US$ 6.939,00 por tonelada.

 

Entre outros metais básicos negociados em Londres, o contrato do chumbo ganhou US$ 80,50, para US$ 2.125,00 por tonelada, enquanto o contrato do zinco encerrou em alta de US$ 66,00, a US$ 2.180,00 por tonelada. O alumínio subiu US$ 22,00, a US$ 2.055,00 por tonelada. O níquel avançou US$ 745,00, a US$ 18.450,00 por tonelada, enquanto o estanho ganhou US$ 525,00, para US$ 16.175,00 por tonelada

 

O presidente do Conselho Europeu, Herman Van Rompuy, disse após uma reunião de autoridades regionais que os países da zona do euro ajudarão a Grécia a reduzir seu déficit orçamentário, mas ainda não fornecerão auxílio financeiro aos gregos.

 

Na semana passada, a preocupação com a situação fiscal da Grécia e suas potenciais consequências para a zona do euro provocou uma onda de vendas em commodities e ações e uma busca por ativos mais seguros, como o dólar e os títulos do Tesouro dos EUA.

 

Operadores e analistas disseram que os metais básicos - particularmente o cobre - foram beneficiados por um aumento nas negociações de arbitragem por conta da proximidade das comemorações do Ano Novo na China, que começam nesse final de semana.

 

"A percepção vinda da Ásia é de que a demanda provavelmente será mais forte após o Ano Novo chinês e isso pode explicar o forte avanço que estamos observando antes do feriado, que começa em 14 de fevereiro e durará uma semana", disse o analista da MF Global, Edward Meir.

 

Entre os metais preciosos, o contrato do ouro para abril negociado na Comex fechou em alta de US$ 18,40, ou 1,71%, para US$ 1.094,70 por onça-troy, com máxima de US$ 1.095,90 e mínima de 1.072,90 ao longo da sessão, incluindo transações do pregão eletrônico.

 

A expectativa de manutenção de juros baixos gerou apostas de inflação no mercado e isso deu impulso aos preços do ouro durante a sessão. "O ouro está sendo utilizado como um escudo contra a inflação" que pode ser provocada por eventuais medidas de auxílio da Europa à Grécia, disse o analista Sterling Smith, da Country Hedging. As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
metaiscobreouro

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.