Cobre segue pressionado por preocupação com demanda da China

Contrato de dezembro estava em queda de 0,6%, em US$ 3,7355 a libra-peso na Comex

Regina Cardeal, da Agência Estado,

20 de outubro de 2010 | 12h17

Apesar do enfraquecimento do dólar, os futuros de cobre recuavam em Nova York com os temores de que uma desaceleração no crescimento na China possa pesar sobre a demanda do metal industrial. O contrato mais ativo, de dezembro, estava há pouco em queda de 0,6%, em US$ 3,7355 a libra-peso na Comex, divisão de metais da Bolsa Mercantil de Nova York (Nymex, na sigla em inglês).

 

Ontem, o banco central da China anunciou sua primeira elevação no juro em quase três anos, no mais significativo passo de Pequim até agora para retirar o estímulo que ajudou sua economia a superar a crise global, mas que agora ameaça alimentar a inflação. O Banco do Povo da China (PBoC, na sigla em inglês) elevou a taxa de empréstimo de um ano em yuan para 5,56%, de 5,31%, e a taxa de depósito de um ano em yuan para 2,5%, de 2,25%.

 

"A medida teve um impacto negativo sobre os metais por causa da preocupação de que isso possa pressionar a demanda doméstica do setor construção", afirmou o Barclays Capital em relatório. A China é o maior consumidor de commodities do mundo, incluindo cobre.

 

Um dólar mais fraco com frequência impulsiona o preço do cobre, ao torná-lo mais barato para compradores com outras moedas, o que ajuda a demanda pelo metal. Mas a pressão do aumento do juro da China se sobrepôs ao movimento do câmbio. As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
metaiscobreNymex

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.