Natacha Pisarenko/AP
Natacha Pisarenko/AP

Com alta do dólar, Argentina volta a elevar taxa básica de juros

BC argentino repetiu movimento realizado há menos de uma semana, subindo os juros em 3 pontos porcentuais nesta quinta-feira, 3, para 33,25%; autoridade monetária disse que pode agir novamente

Gabriel Bueno da Costa, O Estado de S.Paulo

03 Maio 2018 | 13h14

O Banco Central da Argentina elevou nesta quinta-feira, 3, sua taxa básica de juros de 30,25% a 33,25% ao ano. A decisão ocorre dias após a instituição ter subido a taxa na última sexta-feira também em 3 pontos porcentuais, com o objetivo de frear um quadro de maior demanda por dólares e desvalorização do peso.

+ Fortalecimento do dólar pressiona economia de países emergentes

As duas altas de 3 pontos porcentuais foram realizadas sem uma reunião de política monetária prevista no cronograma do BC. Mais cedo, a instituição vendeu dólares, mas a moeda americana continuava a se valorizar.

Na Argentina, o dólar se valorizou mais de 30% ante o peso nos últimos 12 meses. O movimento cambial na Argentina é atribuído em parte ao quadro internacional, com a elevação gradual dos juros nos Estados Unidos, mas também a desequilíbrios da economia nacional, em um quadro de alta inflação.

+ Cenário externo continua benigno, mas está começando a mudar, diz Ilan

Nos últimos dias, o BC tem atuado bastante no mercado cambial, vendendo dólares, mas ainda sem conseguir frear o movimento de enfraquecimento do peso.

Comunicado. A autoridade monetária divulgou nota afirmando que "tomou esta decisão com o objetivo de garantir o processo de desinflação e está pronta para atuar novamente, se for necessário". O comunicado afirma que a decisão de subir os juros foi tomada diante da dinâmica do mercado cambial "e em um contexto de alta volatilidade internacional".

O BC ainda afirma que seguirá a utilizar todas as ferramentas à disposição e conduzirá a política monetária para atingir sua meta de inflação de 15% em 2018.

Mais conteúdo sobre:
Argentina [América do Sul] juros dólar

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.