Com otimismo e cautela do mercado, dólar e Bolsa sobem após saída de Dilma

Com otimismo e cautela do mercado, dólar e Bolsa sobem após saída de Dilma

No dia em que Michel Temer assume como presidente interino após abertura de impeachment de Dilma, Bovespa fechou em alta de 0,90% e dólar avançou 0,88%

Paula Dias, O Estado de S.Paulo

12 de maio de 2016 | 18h31

A concretização do já esperado afastamento da presidente Dilma Rousseff foi recebida sem sobressaltos nos mercados de ações e de câmbio nesta quinta-feira. À espera do anúncio dos nomes para a equipe econômica do governo de Michel Temer, os investidores mantiveram ao mesmo tempo otimismo e cautela. Com isso, a Bovespa fechou em alta de 0,90%, aos 53.241,31 pontos. O dólar terminou o dia cotado a R$ 3,4776 no mercado à vista, com avanço de 0,88%, influenciado por ajustes e pela ação do Banco Central, que pela manhã promoveu leilão de contratos de swap cambial reverso.

A Bolsa abriu em alta em torno de 1%, perdeu fôlego no final da manhã e caiu até 0,65%, mas voltou a subir firmemente à tarde, alcançando alta máxima de 1,96%. Os nomes de Henrique Meirelles para o Ministério da Fazenda e de Ilan Goldfajn para o Banco Central, já vinham sendo dados como certos nos últimos dias e estão no rol dos profissionais que agradam ao mercado. A novidade foi o surgimento de Mansueto Almeida, especialista em contas públicas, como apontado para a Secretaria do Tesouro Nacional. O nome foi bem recebido nas operações.

Sem euforia com a concretização do afastamento temporário de Dilma Rousseff, o mercado também monitorou de perto as oscilações das commodities e das bolsas de Nova York, além dos balanços trimestrais das empresas brasileiras. Os contratos futuros de petróleo tiveram uma sessão de volatilidade, mas fecharam em alta. As ações da Petrobras também enfrentaram instabilidade, principalmente devido à proximidade da divulgação do balanço trimestral. Ao final dos negócios, Petrobras ON caiu 1,55% e Petrobras PN recuou 4,49%, ignorando a valorização do petróleo.

Entre as 59 ações que compõem o Ibovespa, a maior alta ficou com JBS ON, que disparou 21,01% em reação ao anúncio de reestruturação divulgado ontem pela companhia. Já Banco do Brasil ON caiu 2,83%, depois da divulgação de números considerados ruins. Além da queda no lucro, preocupou o crescimento das provisões para devedores duvidosos. Vale ON (-3,14%) e Vale PNA (-2,00%) também ajudaram a limitar a alta da Bolsa, uma vez que acompanharam a queda dos preços do minério de ferro. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.